Talvez o sonho não se prolongue muito além do que já se viveu – e do muito que já se fez. Ainda assim, a Síria deixou para a posteridade uma das cenas mais bonitas da Copa de 2018. A seleção do país esfacelado superou todas as suas dificuldades e ofereceu um momento inesquecível ao seu povo, com o gol de Omar Al-Somah aos 48 do segundo tempo, decretando o empate contra o Irã e confirmando a classificação à repescagem das Eliminatórias Asiáticas. No entanto, o melhor jeito de dimensionar a real emoção pela classificação é através da voz de um narrador sírio, às lágrimas diante do feito histórico de seus compatriotas.

VEJA TAMBÉM: Não há nada mais bonito que a emoção dos sírios pelo milagre vivido nas Eliminatórias

Se as narrações da televisão catariana, as principais divulgadas após a partida, não traziam tanta empolgação, o mesmo não se pode dizer do locutor sírio. O êxtase é evidente, mesmo que você não entenda uma só palavra do que ele diz. “Devemos dizer que jogamos fora o nosso sonho? Vamos, rapazes! O segundo gol! O segundo! Passe… O segundo… GOL! Que lindo! Que lindo! Que lindo! Chore, seja feliz, que lindo! Meu Deus! O segundo gol da nossa seleção! Quem marcou? Tinha que ser Somah! O gol de empate! Perdoe-me, eu me perdi! Ninguém pode pará-los!”, exclamou, antes de fazer uma alusão política à situação do país. “Eles são filhos da Síria, quando eles se unem ninguém pode pará-los. Nós voltamos ao terceiro lugar! Eu juro por Deus que conseguimos isso!”.

A paixão pelo futebol em seu estado mais puro: