O futebol mudou muito desde 1970. A velocidade do jogo é totalmente diferente, os espaços diminuíram com a evolução da preparação física, a mentalidade defensiva é bem maior. São vários os fatores que fazem um jogador como Gérson estar extinto nos dias de hoje. Um meio-campista sempre de cabeça erguida, com classe abundante. Calmo para distribuir o jogo, mas com uma capacidade ímpar de acelerá-lo.

Ver os lances de Gérson é um deleite. Passes precisos, inversões de jogo geniais, potência nos arremates. O camisa 8 era um dos tantos craques que fizeram da seleção de 1970 uma das melhores da história. E merece as devidas homenagens ao completar 73 anos neste sábado, dono de uma carreira respeitável também com as camisas de Flamengo, Botafogo, São Paulo e Fluminense.

Em tributo ao Canhotinha de Ouro, separamos um vídeo com a maior partida de sua carreira. Gérson marcou o segundo gol na decisão da Copa de 1970, em um petardo de fora da área fundamental para a conquista do tri. Lance a lance, confira todos os toques que o camisa 8 deu na bola durante aquela final. Vale a pena conferir: