Está marcado para o fim de outubro um encontro entre dois grandes amigos: David Wagner, técnico do Huddersfield, e Jürgen Klopp, seu correspondente no Liverpool. Uma amizade que dura quase 30 anos, desde que os dois conheceram-se nos vestiários do Mainz, em 1991, e sobre a qual o mais Wagner falou à revista FourFourTwo.

LEIA MAIS: Para Klopp, contratação não resolveria problema da defesa do Liverpool. Então, o que resolve?

“Foi amor à primeira vista, como falamos na Alemanha”, disse. “Nos tornamos amigos mais ou menos na primeira vez que nos encontramos. Conseguíamos nos comunicar e estávamos no mesmo nível. Mais ou menos desde o começo, nos tornamos companheiros de quarto e passamos cada segundo em torno do futebol”.

Também trabalharam juntos no Borussia Dortmund, antes de se reencontrarem na Inglaterra, em lados opostos. Klopp, cinco anos mais velho, está em um estágio mais avançado da carreira. E também é melhor com o copo na mão. “Eu preciso de duas cervejas e é o bastante”, conta Wagner. “Klopp é muito melhor em beber álcool do que eu. Fui o padrinho do casamento dele (em 2005), mas não tenho ideia do que falei no discurso. Eu estava muito bêbado”.

Após sete rodadas da Premier League, apenas três pontos separam os grande amigos na tabela. “Eu entendo toda a animação em torno dessa história. Dois melhores amigos – às vezes mais como uma família do que como amigos – trabalhando como técnicos, na Inglaterra, talvez a uns 100 quilômetros de distância. Mas, para mim, ele é apenas meu amigo, um amigo de 25 anos. Não é algo extraordinário que ele seja o treinador de futebol Jürgen Klopp. Ele seria meu amigo do mesmo jeito até se fosse um chefe de cozinha”, afirmou Wagner.