Você é técnico de um dos mais poderosos clubes europeus e sua equipe faz uma campanha não muito empolgante na atual temporada. Sua diretoria tem dinheiro em caixa e chega a janela de negociações de janeiro. O que você faz? Procura uma solução que possa tentar uma rápida e incrível recuperação ou vai atrás de um garoto imberbe cujo brilho pode (ou não) virar ouro concreto daqui a, no mínimo, dois anos?

Arsene Wenger, técnico do Arsenal, escolheu apostar no futuro. A aposta foi alta e atende pelo nome de Theo Walcott. O atacante de apenas 16 anos veio do Southampton, da segunda divisão, onde disputou 13 partidas e marcou cinco gols na primeira metade do Campeonato Inglês 2005/6.

Não seria nada demais ver um time grande contratando uma jovem revelação. Isso acontece todos os dias, no mundo inteiro. Barulho mesmo fez o valor da negociação. Para contar com Walcott, o Arsenal desembolsou por enquanto, US$ 8,8 milhões. Pelo acordo assinado, esse valor pode chegar a até US$ 21 milhões, dependendo de quantas atuações o atacante tiver pelos Gunners e pela seleção da Inglaterra.

Disputa pessoal

A contratação de Walcott foi uma vitória pessoal de Wenger. O técnico francês estava de olho no garoto há um bom tempo. Quando viu a primeira partida de Walcott (num jogo entre os juvenis de Southampton e Arsenal), o menino tinha nada mais que 14 anos. Desde então olheiros do time londrino estiveram monitorando cada passo dele dentro de campo, preparando o terreno para trazê-lo a Highbury.

Só que os dólares de Roman Abromovich quase melaram os planos. Walcott sofreu um forte assédio do Chelsea e por pouco não foi fazer companhia a Lampard, Robben e outros craques dos Blues. Para decidir que caminho seguir, o jogador se reuniu com os treinadores dos dois clubes que o queriam. Depois de almoçar com José Mourinho e Arsene Wenger decidiu se juntar ao segundo, afirmando que o francês é um cara mais legal.

A negociação havia virado uma disputa pessoal, e por isso há muita gente dizendo que a contratação de Walcott foi mais para impedi-lo de ir para o Chelsea do que para propriamente reforçar o Arsenal.

Pelo menos uma marca histórica Walcott já alcançou. Tornou-se o jogador mais jovem a disputar uma partida pelo Southampton, aos 16 anos e 143 dias de idade. Já existem apostas prevendo novos recordes para o garoto. Será ele o jogador mais jovem a vestir a camisa da seleção inglesa profissional? Apesar disso, Walcott não será titular do Arsenal nesta temporada. Wenger está disposto a dar todo o tempo necessário para que o jovem se adapte a um grande clube e à pressão, que certamente será intensa.

Rápida ascensão

Theo Walcott começou a jogar futebol em 2000, quando tinha 10 anos de idade. Sua habilidade já chamava a atenção dos colegas e não demorou muito para ele arrumar uma vaguinha nos juvenis do Newbury, clube de sua cidade natal fundado em 1995. De lá rumou para o Swindon, onde ficou por somente seis meses.

Aos 11 anos, ele chegou em Southampton. Foi lá que recebeu convocações para as seleções inglesas sub-16 e sub-17. Pelo time sub-17 da Inglaterra, foram 14 jogos e cinco gols.

As principais características desse atacante destro e de baixa estatura são a velocidade, o toque na bola certeiro e sua disposição. Cabeçada e chutes com a perna esquerda não são seu forte, mas ainda há tempo para ele desenvolver também essas habilidades e se tornar um jogador mais completo.

Estamos presenciando o surgimento de uma lenda do futebol inglês ou de mais um atleta que vai viver a carreira assombrado pelo fantasma de precisar justificar tamanho investimento? Temos um bom tempo para descobrir.