Arsène Wenger aproveitou a pausa para o futebol de seleções e deu seu pitaco nas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Em entrevista ao site oficial do Arsenal, o técnico francês comemorou a presença da Argentina de Messi no Mundial, encorajou os chilenos, que ficaram fora, e opinou que o classificatório sul-americano é o mais difícil do mundo – apesar de praticamente colocar metade dos seus membros na Copa.

LEIA MAIS: Copa a Copa, a história completa da repescagem intercontinental nas Eliminatórias

“Somos um pouco mimados na Europa porque temos 13 posições para ir à Copa do Mundo. Jogamos contra equipes menores, em pequenos grupos, então o perigo não é tão grande, exceto pelo grupo da Holanda, que era muito forte. Tinha França e a Suécia, mas a maioria dos grupos das eliminatórias não é muito difícil”, afirma.

“Na América do Sul, você tem 10 times e apenas quatro classificam-se diretamente. O quinto time tem que disputar a repescagem. Então, parece muito mais difícil para mim. Você nunca vence um time sul-americano facilmente. É difícil para todo mundo em qualquer lugar ir para a Bolívia, Colômbia, Paraguai, Brasil ou Chile. Você tem uma série de jogos difíceis. É certamente o lugar mais difícil de se classificar”, acrescentou.

O Chile, por exemplo, não conseguiu. Apesar de ter vencido as últimas duas Copas América, acabou as Eliminatórias em sexto lugar, perdendo do Peru nos critérios de desempate. “Eles sofreram um pouco recentemente por sofrerem muitos gols. Eu assisti à última partida deles nas Elimiantórias, porque eu queria saber o que aconteceria e para ver como Alexis (Sánchez) seria tratado. Preciso dizer que foi um jogo muito, muito duro, muito competitivo, com um número inacreditável de faltas. Foi um jogo realmente difícil e isso mostra que, apesar de terem se classificado para o Brasil, não há nada de graça lá”, afirmou.

No fim, a Argentina sobreviveu e estará na Copa do Mundo da Rússia. “Estou pessoalmente muito feliz”, disse. “Se você ama futebol, você ama assistir ao Messi. Se você ama futebol, você ama a Argentina também. Eles sempre têm jogadores de alto nível no ataque e muito talento. No geral, eu diria que ficaria triste se a Argentina não fosse para a Copa do Mundo”, encerrou.