Imagine você sendo um goleiro de uma equipe que está muito próxima de se classificar para a próxima fase da maior competição continental, e de repente você faz uma lambança histórica e entrega a bola nos pés do jogador do adversário, que marca o gol e elimina a sua equipe. Imaginou? Pois é isso o que aconteceu na vida do goleiro do Werder Bremen, Tim Wiese.

A tal falha aconteceu na partida de volta das oitavas-de-final da Liga dos Campeões, quando o Werder Bremen perdeu da Juventus por 2 a 1. A tal falha do arqueiro foi soltar uma bola defendida de um cruzamento nos pés do brasileiro Emerson, que fez o gol da classificação bianconera no último minuto de jogo. Foi talvez o momento dessa fase da LC mais mostrado nas TVs pelo mundo afora. O mais cruel é que, até então, Wiese vinha fazendo uma ótima partida.

Entre os principais e os reservas

Nascido em Bergisch-Gladbach, perto de Colônia, o goleiro iniciou sua carreira atuando pelo pequeno Fortuna Köln, da terceira divisão alemã. As atuações de Wiese no time atraíram o interesse do Kaiserslautern, para onde se transferiu no meio da temporada 2001/2. Ele atuaria um pouco pelo time B do Lautern antes de ter uma chance no elenco principal.

Rapidamente, o goleiro chegou à titularidade do Kaiserslautern e se tornou uma das revelações da Bundesliga, até almejando um lugar entre os goleiros da seleção alemã. Só faltaria a afirmação num clube considerada grande e em vias de disputar uma competição européia, e então, na temporada 2005/6, Tim Wiese transferiu-se para o Werder Bremen.

O ‘Pantera’

Assim que Wiese chegou ao Werder, sofreu um rompimento no ligamento do joelho e ficou seis meses fora de combate. Com isso, atuou em poucas partidas da Bundesliga e foi um dos principais jogadores do time na partida de ida das oitavas de final da LC contra a Juve. E até foi bem na volta, se não fosse o já citado erro. O lance abalou muito o jovem arqueiro, que também falhou na partida seguinte do Werder pela Bundesliga, contra o Hertha Berlin, jogo esse que o time de Wiese também perdeu.

Para este goleiro fã de aeromodelismo e de Maradona, e com o apelido de ‘Pantera Cor de Rosa’ (por causa do uniforme cor-de-rosa que costuma usar), somente atuações melhores podem o ajudar a esquecer a fatídica partida no Delle Alpi. Se conseguir atuar bem, pode ser que vire um nome a se pensar para as convocações da Nationalelf pós-Copa. Seria uma chance muito boa para um goleiro que mostra ter potencial para se tornar um sucessor de Oliver Kahn, que também já sofreu com falhas grotescas (vide final da Copa 2002), e que provavelmente não defenderá mais a meta da seleção alemã. Isso se Wiese conseguir evitar que a má sorte ronde sua carreira.