Durante quase 80 anos, entre 1912 e 1991, o Wimbledon mandou suas partidas em Plough Lane, estádio no sudoeste de Londres, e está próximo de voltar para casa. O clube da terceira divisão inglesa conseguiu a permissão das autoridades e assinou os papéis para começar a construção de um novo campo de futebol no local, com capacidade para 11 mil pessoas, ao custo de £ 25 milhões.

LEIA MAIS: O Wimbledon escorraçou o MK Dons na primeira visita dos intrusos à antiga cidade

O Wimbledon teve que deixar sua casa tradicional, no começo da década de noventa, quando começou a subir as divisões e as novas medidas de segurança pós-desastre de Hillsborough obrigaram-no a modernizar o seu estádio. Plough Lane, porém, não comportava o que precisava ser feito. O clube passou a compartilhar o Selhurst Park com o Crystal Palace até 2002, quando se mudou para Kingsmeadow, a nove quilômetros de distância de Plough Lane.

Kingsmeadow, com capacidade de quase 5 mil pessoas, será vendido para o Chelsea, que fica nas proximidades e usará o local para abrigar partidas das categorias de base e do seu time feminino. Segundo o Evening Standard, receberá £ 2 milhões pelo estádio. A construtora Galliard Homes pagará £ 14 milhões para construir 600 casas e estabelecimentos comerciais nos arredores. O resto do orçamento virá de um empréstimo.

A estimativa é que o Wimbledon se mude para a nova-velha casa no começo da temporada 2019/20. “Todos no futebol conhecem a história do AFC Wimbledon. Um grupo de torcedores que começou com nada, nenhum estádio, nenhum time, nenhum técnico, nenhum jogador, nenhum uniforme. Agora, 15 anos depois, demos um passo gigante para voltar para casa. Este é um momento importante para nós. Todos que ajudaram o clube a chegar a este ponto têm que ficar muito orgulhosos”, disse o executivo chefe do clube Erick Samuelson.

Para a partida de inauguração, o Wimbledon pensa alto e quer medir forças com outro clube controlado pelos seus sócios: o Barcelona. “Vamos começar a pensar nisso em breve e a primeira coisa que pensamos é nos maiores times do mundo. Por que não perguntar para o Barcelona? O céu é o limite. Nada entrou no nosso caminho antes. Vamos tentar tudo”, encerrou.