por Raphael Zarko

Na segunda entrevista que o Yougol teve o prazer de fazer (vem mais por aí!), fomos até a Bahia, terra de Caetano, de Gil, de Carla Perez, ou não… Filho de baiano que sou, com o carinho especial pela terra e pelo time, já até saudei a vitória do Bahêa em cima do Vasco, pois achei que era a hora da arrancada. Mas como disse nosso entrevistado, “o gordo mais sexy da Bahia”, tá faltando vergonha na cara ao Tricolor de Aço.

Não foi exatamente uma coletiva. Mas Bolota, que porra de batom é esse?

Não foi exatamente uma coletiva, tudo bem. Mas Bolota, que porra de batom é esse?

No bate papo imperdível, Bolota (eis o nome do cabra) revela seu hábito de chegar ao estádio um pouquinho mais leve – se é que me entende, conta estripulias sacaninhas, o seu belo gosto por produções nacionais, e diz que não perdoava nem mesmo Ana Maria Braga e Zizi Possi (sou mais a filha!). Nas linhas abaixo entendemos que seria muito aviadado cantar o nome do clube como tá escrito, além de conferir algumas topadas que o entrevistador levou para deixar de ser engraçadinho.

Com vocês, Bolota, o cara do site Bora Bahêa Minha Porra (BBMP)!

Yougol: Quem é o Bolota?
Bolota da Bahia: Em poucas palavras: o gordo mais sexy da Bahia.

Aqui no Rio uma piada boa era dizer que o Eurico Miranda era um flamenguista infiltrado no Vasco. Só isso explicava o cara motivar os urubus, dizer que já tinha chope comprado, manter Antonio Lopes etc. Aí na Bahia vocês tinham oficialmente um rubro-negro no futebol de vocês. E não era piada. Falta acontecer o que ao Bahia? Roberto Cavalo de técnico? Edílson Capetinha?
Rapaz… não falta mais nada. Tudo que é carniça do lixão tem passado pelo Bahia ultimamente. Paulo Carneiro, Joãozinho… Inclusive Roberto Cavalo já foi técnico do Bahia… pelo menos Nadgol tá se salvando.

O Bahia participou pela última vez da 1 Divisão em 2003, certo. Tá rolando uma preguiça para voltar?
Né preguiça não, pai véi. Tá faltando é vergonha na cara dos sacanas que estão a frente do time. E falta sorte também. Urucubaca desgraçada… tá foda.

Com quantos acarajés dá para levar esse time do Bahia?
O segredo não tá no acarajé. Pra güentar esse time do Bahia, só comendo muita água* (comer água = encher a cara, beber pra carai).

Como o Bolota se prepara para um jogo do Bahêa?
Bicho… primeiramente bato um cagão. Primordial. Depois eu boto minha camisa azul da sorte, minha cueca do superman e meu chinelão branco. Pego meu buzu umas 2 horas antes, chegando no estádio tomo 3 latão da skol e um churrasquinho miau. Tô pronto.

Outro dia no BBMP, um torcedor escreveu dizendo que viu o jogo do Bahêa na zona. Tem lugar melhor para assistir ao time atualmente?
Eu não acho o puteiro um bom lugar pra ver o jogo do Bahia não. O time tá meio broxante…

Acha que o MKT do clube poderia fazer uma campanha nesse sentido: “vá ao puteiro e assista ao Bahia. Se perder, a mulher é de graça. Se ganhar, peça um beliscão, mas não perca a virilidade”?
Do jeito que o time tá, se o marketing fizer essa promoção, vai quebrar o Bahia… o que vai ter de neguinho fudendo com puta às custas do clube não vai tá no gibi.

Falando em experiências desse nível antropológico canibalesco, qual foi o lugar mais bizarro que você assistiu jogo? (depois de SP naturalmente, se é que já foi…)
Nunca fui pra São Paulo. Mas o lugar mais escroto e bizarro que eu já assisti um jogo foi no Barradão. Ou Barralixo, como é popularmente conhecido. Lá a gente tem que ir de máscara. É sério. Aquela porra é um aterro sanitário. Não desejo essa experiência pra ninguém.

O Bahia venceu o Corinthians ano passado no Pacaembu e o Vasco esse ano, os dois times de maior prestígio que enfrentou. Isso prova, a meu ver, que camisa ainda sobra no Bahia. O Bahêa tem jeito?
Isso prova que o lugar do Tricolaço é na primeira. A gente não vê muita graça em jogar contra Vila Nova, Brasiliense, esses timinhos bufa…
O Bahia tem jeito pra caralho. Time de massa. Torcida apaixonada. Falta competência nos sacanas que comandam o clube.

Se macumba ganhasse jogo, para que você usaria a magia da sua nega que você tanto fala?
Minha nêga não é macumbeira não, porra. Mas vou lhe contar um negócio. O Bahia tinha um torcedor símbolo na década de 80 chamado Lôrinho. O cara fazia altas macumbas. Fazia um vudu brabo. Amarrava o pé de uns bonecos e falava que era o pé do craque do time adversário. E a porra dava certo!! Só sei que de uns tempos pra cá, Lôrinho sumiu!! e aí, fudeu. O Bahia nunca mais foi o mesmo.

O Bolota já fez dieta por promessa ao Bahêa? Deu jeito? Nem na barriga?
Dieta é coisa de viado.

Onde Bolota estava quando o Bahêa deu aquela brocada no Internacional na final de 1988, que terminou em 1989?
O jogo aqui eu assisti na Fonte Nova com meu corôa. O jogo de volta, até onde eu consigo me lembrar, pois a água foi dura, assisti num boteco na ladeira do Pepino, pertinho da Fonte.

Defina Bobô para o Bahia. É o maior ídolo do Bolota?
Bobô dentro das 4 linhas era gênio. Quem nunca viu a elegância sutil de Bobô?
Fora dos gramados, Bobô é meio escroto. Num vô muito com a cara dele não. Andou fazendo umas merda.

Saudades da Fonte Nova?
Pa caralho.

E o Pituaçu, dá para o gasto? Jogar no Barradão nem pensar, não é?
Pituaço é um estádio lindo. Muderno. Caldeirão. Bom de ver o jogo. Pena que o time tá uma carniça.
Como diria o padre Quevedo, o Borradão não existe.

A torcida nunca abandona o time. As médias de público são sempre sensacionais. O baiano é um povo de fuder mesmo, não é?
Baiano não é de fuder. De fuder são os outros. Baiano é foda.

É Flamengo no Rio, Vitória na Bahia. Essas cores rubro-negras são nojentas, não é?
É a cor do exu… presta não.

Gosta de algum time do Rio?
Na Bahia antigamente só passavam jogos dos times cariocas nas rádios. Por isso tem tanto torcedor de time do rio por aqui. Mas eu sou só Bahêa. Quero mais é que os times do Rio tomem na tarraqueta.

Por que o canto de Baêêêa e não Bahia? Tem alguma explicação, é o sotaque? Explique para o pessoal do Yougol, por favor, seu Bolota.
Porra, velho… é só você cantar a porra. Cante aí como se fosse a galera na arquibancada: Bahiiiiiiiiiiiaaaaa. Não dá, né? Fica aviadado pra caralho. Parece que o time não vai. Só ia. E aí não dá. Tem que ser Bahêêêa mesmo.

Quem você jogaria da Fonte Nova?
Num jogaria ninguém não. Sou da paz.

Bebida preferida do Bolota?
Tendo álcool, todas.

E o prato ideal?
Rabada.

Rabada de Ana Maria Braga, vai?

Rabada de Ana Maria Braga, vai?

Programa favorito de TV?
Só assisto futibó. Gosto de ver a Ana Maria Braga de vez em quando. Acho a sacana gostosa. Dou uns pega nela fácil.

Qual filme Brasileirinhas você mais gosta?
O daquela sacaninha que deu o cu e continuou virgem. Muito bom. Recomendo.

Por falar nisso, indique um bom lugar em Salvador para dar aquela brocada.
No Barradão. Adoro brocar lá

Ser Bahêa é… ser o primeiro campeão nacional da história e o primeiro representante brasileiro numa taça Libertadores. Só isso.

Evaristo gênio, dono das melhores histórias do futebol

Evaristo, dono das melhores histórias do futebol

Evaristo de Macedo é… gênio.

Charles é… brocador.

Vitória é…
Vice, viado, corno e chupador de uva.

ACM ou Jaques Wagner?
Num sou muito chegado em política não. Mas prefiro o ACM. Primeiro porque ele é baiano. Segundo porque tá morto. E melhor um político morto do que vivo. Rouba menos.

Ronaldo (goleiro) ou Ronaldo Gordo?
Ronaldo Passos, é óbvio. Ronaldo Passos era o nosso Yashin preto.

Um ídolo:

Jorge Amado ou Paulo Coelho?
Vou responder Jorge Amado porque é baiano. Mas eu não sou de ler muito não. Só gibi.

Raul Seixas ou Renato Russo?
Raulzito disparado. Renato Russo gostava de dar o brioco.

Caetano ou Felipe Dilon?
O que porra é Felipe Dilon??

Carla Perez ou Zizi Possi?
Carla Perez fácil. Mas eu vou em Zizi também.

Agora deixa aquele recado bacana para a galera. E parabéns pelos 2 anos de BBMP.
Só queria dizer aqui que o Bahia pode estar mal das pernas agora, mas quando subir, segure o cu, porque a gente vai botar pra arregaçar nessa série Azinha de merda. Abraço a todos e BORA BAHÊA MINHA PORRAAAAA!!!

Leia mais: Entrevista com Rafael Botafoguense, o “cala a boca, seu esgoto” de JF; Logo contra o Vasco, BahÊa