São poucos os jogadores que podem dizer que se tornaram símbolos de um time. É uma honra difícil, que exige anos de dedicação e uma simbiose com a torcida que não há como manipular, nem comprar, nem falsificar. É preciso viver, intensa e verdadeiramente. Javier Zanetti viveu e se tornou uma lenda, maior do que o homem. Sua relação com a Internazionale, em 19 anos, o tornaram um dos maiores ídolos da história do clube de Milão e um exemplo de profissional. Mas é mais do que isso. É um jogador acima de qualquer contestação, não por ser brilhante tecnicamente, mas porque faz da sua história a história da Inter.

LEIA TAMBÉM: A volta de Zanetti e um amor que nunca acaba

Neste sábado, a torcida da Internazionale se despediu de Javier Zanetti. O jogador, de 40 anos, anunciou a aposentadoria ao final desta temporada. A 37º rodada marcava a última partida da Inter em casa, no estádio Giuseppe Meazza. A torcida, claro, fez a festa, homenageou o capitão. Faltou combinar com o técnico Walter Mazzarri, que não o colocou como titular. Uma falta de sensibilidade, até porque ele não é pior do que os que estavam em campo.

Veio uma vitória por 4 a 1, e logo com a atuação primorosa de um garoto que acabou de completar 20 anos, metade da idade do capitão Zanetti. Mateo Kovacic foi o grande nome do jogo, fazendo três passes para gols. Não deixa de ser simbólico que no dia da despedida de um veterano com tanta história um garoto com metade da sua idade tenha sido o grande destaque. Embora sejam de posições diferentes, passa a impressão de uma passagem de bastão. É preciso que os jovens jogadores assumam seus papéis.

E provavelmente será a toada do futuro. Zanetti é o grande nome, um jogador que eternizou a sua história na Inter. Mas outros dois jogadores podem estar se despedindo também. O zagueiro Walter Samuel, de 36 anos, fica sem contrato ao final da temporada e pode deixar o clube. O atacante Diego Milito, craque da temporada 2009/10, quando a Inter ganhou a tríplice coroa, com direito a gol do centroavante em todos os jogos decisivos, também pode estar se despedindo. Aos 34 anos, seu contrato também acaba no fim da temporada. E curiosamente, Mauro Icardi, outro argentino, é quem tem sido titular no lugar de Milito. Uma transição que já acontece nesta temporada.

Zanetti deixou o seu nome na história ao passar por diversas versões da Internazionale. Ele esteve em toda a era Massimo Moratti, de 1995 em diante. Acompanhou uma Inter de vacas magras nos anos 1990 até a Inter dominante de 2007 em diante, que culminou no time campeão europeu. Desde então, o time vem sofrendo muito mais e passando por mudanças, como todo o futebol italiano. Zanetti deixa o futebol no momento que Erick Tohir é o proprietário da Inter, um asiático, em uma nova era. Não se sabe ainda como será essa nova era. Mas que a inspiração que Zanetti deixou sirva como guia.

A vitória por 4 a 1 na despedida, com direito inclusive a um bonito gol do brasileiro Hernanes, marca o fim de um jogador histórico em campo. Fora dele, Zanetti tentará como diretor manter-se importante ao time. Seu lugar está garantido na história. A Inter precisa agora saber qual será o seu caminho daqui em diante. O time está longe, muito longe dos grandes times europeus. Está longe até do melhor time italiano, a Juventus. A Inter, assim como os outros times italianos, precisa trabalhar muito se quiser voltar a brigar pelo topo na Serie A e na Liga dos Campeões. E o caminho para isso parece longo.

LEIA TAMBÉM: Zanetti, 40 anos de idade, 18 de Inter e eterno no futebol. Veja figurinhas desde o início da carreira do jogador

 


2 respostas para “Zanetti fecha sua história brilhante na Inter, que agora precisa pensar no futuro”

  1. Leandro Paulo disse:

    Recordo-me que ele chegou em um outro momento de transição da inter que estava vendendo os holandeses Jonk e Bergkamp e estava contradando o Roberto Carlos e a grande sensação do futebol argentino na época; Sebastian Pascual Rambert, que juntodo colombiano Alberto Usuriaga faziam chover no clausuea e na sSupercopa quando eliminaram santos, grêmio e cruzeiro. O Zanetti chegou discretamente e empolgou muito, sentirei muita saudade das suas épicas arracandas pelas laterais… os exemplos de profissionais chegaram ao seu crepúsculo; Zanetti, Zé Roberto, Alex, o futebol merecia que alguns desses fossem eternos.

  2. Adriano Augusto disse:

    Entre os melhores laterais que vi facilmente.Era bom demais.

Deixe uma resposta