Estar em um clube como o Real Madrid implica em saber que a cobrança é tão grande quanto o prestígio e badalação – e o salário. O time termina a temporada 2017/18 como campeão da Europa pela terceira vez consecutiva, 13º na história, mas o técnico capaz dessa proeza, Zinedine Zidane, sabe que é preciso mirar ainda mais acima. Ainda mais quando o desempenho no Campeonato Espanhol foi tão irregular. Por isso, o treinador deixou claro que mesmo se pudesse, não ia querer repetir a temporada atual. Ele quer ainda mais do que isso.

LEIA MAIS:
– Real Madrid amplia domínio: com ajuda de Karius e golaço de Bale chega à 13ª taça da Champions
– Gareth Bale rasgou a etiqueta e deixou uma marca indelével na final da Champions – talvez, seu último ato
– O Real tricampeão traz de volta o que a Europa não via há tempos: uma dinastia
– Podcast Trivela #175: Real Madrid Campeão

Ídolo máximo como jogador do Real Madrid, Zidane tem uma carreira impressionante no Real Madrid com três títulos de Champions consecutivos, além de ter conquistado também uma liga nesse caminho. “Eu gosto do que eu estou fazendo, gosto do futebol. Acabo de começar como treinador e o que estou vivendo com meus jogadores é impressionante e tenho que aproveitar o momento e o que estou fazendo”, continuou ainda Zidane.

Apesar da glória conquistada em Kiev, Zidane não perde a autocrítica. “Não assinaria para repetir uma temporada como esta. No começo do ano, queremos ganhar tudo e eu disse isso várias vezes, não podemos estar felizes com o que fizemos na liga e muito menos na Copa, mas no final o que conta é o último e temos que ficar com o que fizemos nesta noite”, disse Zidane. “Este elenco não tem teto”.

Quando perguntado sobre qual é o segredo para ter tanto sucesso em Champions League, o treinador usou o discurso padrão. “Apenas muito trabalho por trás de tudo isso, é o que eu sempre digo. Ganhamos do PSG, Juventus, Bayern de Munique e o Liverpool na final. O que nós ganhamos ninguém nunca conseguiu fazer”, afirmou Zidane.

Zidane é autor de um dos gols mais bonitos da história da Champions League. Em 2002, na final contra o Bayer Leverkusen em Glasgow, o meia francês acertou um voleio espetacular. Agora técnico, ele foi perguntado sobre o seu gol, o de Cristiano Ronaldo contra a Juventus nas quartas de final e o de Bale na final em Kiev. “São três gols para entrar para a história do clube e o último é sempre o mais importante, assim o de Gareth é melhor que o meu”, afirmou Zidane na entrevista coletiva.

A próxima temporada terá a cobrança para que o Real Madrid seja competitivo na briga pelo título na liga espanhola, além da Champions League. Ganhar a liga é algo sempre importante para clubes como Real Madrid e Barcelona. Para isso, Zidane precisará mexer bastante para a próxima temporada.