O sábado tinha tudo para ser histórico ao futebol de Los Angeles. Galaxy e Los Angeles FC faziam o primeiro “dérbi” da cidade. E, como se essa expectativa por si não bastasse, Zlatan Ibrahimovic poderia estrear em seu novo clube. Pois graças ao craque, a tarde no StubHub Center extrapolou qualquer prognóstico. Ibra não apenas estreou no segundo tempo. Ele também marcou seu primeiro gol. Mas não um gol qualquer, e sim um tento espetacular do meio da rua, com sua marca. Era suficiente? Não, porque ainda saiu o segundo. Um gol aos 46 do segundo tempo, para determinar a virada do Galaxy por 4 a 3, após sofrerem o 3 a 0 no início do segundo tempo. Partida épica, digna da grandeza de Zlatan.

Chamar Galaxy e LAFC de clássico faz muitos torcerem o nariz, e com razão. Acusam a artificialidade do termo, considerando o parco tempo de existência do novo time californiano, admitido apenas neste ano na Major League Soccer. Contudo, mirando as gerações mais jovens e a comunidade imigrante (sobretudo os latinos, até pela formação de seu elenco, protagonizado por Carlos Vela), os aurinegros começaram a atrair seu público – algo que o antecessor, Chivas USA, não teve grande sucesso. Sobretudo, criaram uma certa atmosfera sobre o confronto. ‘El Trafico’, como passou a ser chamado por motivos explícitos na metrópole, gerou até mesmo alguns focos de tensão. E não poderia ter ponto de partida melhor, até pela presença de Ibrahimovic.

Os problemas físicos atrapalharam a sequência de Ibra no Manchester United durante esta temporada, mas as previsões eram de que o sueco pudesse brilhar em uma liga de menor exigência. O Galaxy anunciou o reforço com pompas, como o grande nome que não tinham desde a saída de Steven Gerrard. E ele desembarcou na Califórnia recebido por centenas de torcedores, na noite de quinta-feira. Na sexta, foi apresentado oficialmente e treinou pela primeira vez. Já neste sábado, mostrou como pode fazer a diferença, mesmo começando no banco de reservas.

Invicto neste início na MLS, o Los Angeles FC começou mandando na casa do Galaxy. Carlos Vela abriu o placar aos cinco minutos, com belíssimo chute na gaveta. Já aos 26, anotou outro belo tento, fazendo o goleiro de bobo e batendo para dentro, mesmo com uma multidão dos defensores à sua frente. Pois tinha mais. No início da segunda etapa, Daniel Steres mandou contra as próprias redes, garantindo o terceiro gol dos aurinegros.

Neste momento, parecia difícil imaginar que queimariam a estreia de Ibra. O Galaxy começou a reação aos 16, com Sebastian Lletget. Zlatan entrou dez minutos depois, e já viu Chris Pontius marcar o segundo logo depois. Então, o deus nórdico chamaria a responsabilidade para si. Empatou aos 31, pegando de primeira uma bola da intermediária, para encobrir o arqueiro adversário. Já o gol da temporada na MLS e um dos mais bonitos entre os tantos de sua carreira. Mas nada que contentasse o camisa 9. O LA FC poderia anotar o quarto, acertando a trave. Até que, aos 46, Ibra se antecipou ao goleiro para completar a virada e a atuação assombrosa.

Por sua qualidade técnica, é natural imaginar que Ibrahimovic vá sobrar na MLS. Mas não tanto, e de maneira tão instantânea. Os goleiros da liga, sobretudo, devem sofrer com sua técnica nos arremates. E o Galaxy, desta maneira, já alavanca suas chances de título na competição. Contra um adversário forte, apesar de novo, se superou. O tal primeiro clássico fica para os anais. Difícil imaginar que o dérbi irá superar a emoção vivida nesta “inauguração” durante as próximas décadas.