Conhecemos a dinâmica do Campeonato Espanhol: Barcelona e Real Madrid são os times com grande poder de compra, embora o Atlético de Madrid tenha aberto muito a carteira no último mercado, para tentar diminuir a distância para a dupla. A contratação de Thomas Lemar foi uma afirmação de ambição dos colchoneros. Também na disputa da Champions League, o Valencia respondeu mantendo Gonçalo Guedes, contratado por € 40 milhões do Paris Saint-Germain, depois de uma temporada emprestado ao Mestalla.

Para baixo da tabela, os gastos caem muito. Apenas Sevilla e Villarreal superaram os € 30 milhões em investimentos, o que exige criatividade e observação. A seguir, destacamos 20 contratações interessantes dessas equipes, que não necessariamente darão certo ou são grandes jogadores, mas que possuem bom custo-benefício ou potencial de serem apostas úteis para os clubes de menos recursos.

Yuri Berchiche (Athletic Bilbao)

É difícil que o Athletic Bilbao faça grandes contratações, por causa da sua política de formar elenco apenas com jogadores que tenham ligações com o País Basco. Yuri Berchiche foi uma exceção. Não à regra, porque nasceu em Zarautz, a apenas 85 quilômetros de Bilbao, mas porque exigiu uma taxa de transferência alta. Os € 24 milhões pagos para retirá-lo do Paris Saint-Germain são o segundo maior valor desembolsado pelo clube em um reforço. O lateral esquerdo, que teve uma temporada na Ligue 1, com 22 partidas disputadas, perde apenas para Iñigo Martínez, que custou € 32 milhões quando saiu da Real Sociedad, clube em que Yuri começou sua carreira na primeira divisão espanhola.

Jonathan Silva (Leganés)

O lateral esquerdo de 24 anos não despontou desde que trocou o Estudiantes pelo Sporting, em 2014, mesma época em que, convocado por Tata Martino, disputou suas duas partidas pela seleção argentina. Já foi emprestado ao Boca Juniors e à Roma. Chegou à Itália em janeiro, depois de três meses afastado por lesão, e conseguiu defender a equipe da capital apenas duas vezes. Espera desenvolver seu potencial no Leganés e, pelo menos, tem encontrado mais tempo de jogo. Foi titular nas três primeiras rodadas do Campeonato Espanhol.

Diego Rolan (Leganés) 

Tem 25 jogos pela seleção uruguaia e cinco temporadas razoáveis com a camisa do Bordeaux. No último Campeonato Espanhol, defendeu as cores do Málaga, com cinco gols em 26 partidas. Foi contratado pelo Deportivo La Coruña e emprestado ao Leganés, que precisa reforçar o seu ataque, o segundo pior da última La Liga.

Andriy Lunin (Leganés)

O goleiro ucraniano de 19 anos foi contratado pelo Real Madrid para preparar o futuro. No entanto, como o presente agora está nas mãos de Thibaut Courtois, e Keylor Navas continua no clube, Lunin foi emprestado para o Leganés, em busca de tempo de jogo. Ele chegou apenas no fim da janela de transferências, e a única partida depois do negócio foi justamente contra o Real Madrid. O titular do Leganés até aqui tem sido o veterano Iván Cuéllar, de 34 anos.

Guido Carrillo (Leganés)  

O atacante argentino passou dois anos e meio no Monaco, muito mais como reserva do que atuando regularmente, mas com números razoáveis: 21 gols em 95 partidas. Saiu no último mês de janeiro para a Premier League, por € 22 milhões, então o segundo negócio mais caro da história do Southampton. Mas foi rapidamente repassado por empréstimo para o Leganés, que precisa de mais marcadores de gols em seu elenco.   

Jonathan Calleri (Alavés) 

O Alavés é a terceira tentativa de Jonathan Calleri na Europa. Desde que o atacante argentino se destacou pelo São Paulo, teve poucas chances no West Ham e até conseguiu ser titular do Las Palmas, mas marcou apenas nove vezes em La Liga, pouco para evitar o rebaixamento do seu time. Se jogar, fará uma dupla de ataque com John Guidetti, contratado em definitivo do Celta de Vigo.

Seydou Doumbia (Girona) 

Doumbia não deu certo no Newcastle

O marfinense era um jogador promissor, quando marcou 18 gols em 22 rodadas do Campeonato Russo pelo CSKA Moscou. Foi contratado pela Roma apenas para ser constantemente emprestado: de volta ao CSKA, ao Newcastle, ao Basel e ao Sporting. Nesses clubes, foi bem apenas na Suíça, mas, sem taxa de transferência, chega como uma opção barata para o ataque do Girona. 

Moses Simon (Levante)

O atacante de 23 anos não defendeu a Nigéria na Copa do Mundo apenas porque sofreu uma lesão pouco antes do começo do torneio. Também nesse período, chegou a ser especulado no Liverpool, como uma opção para o ataque dos ingleses, mas acabou se transferindo para o Levante, que pagou apenas € 5 milhões em um rápido ponta esquerda de potencial.

Sofiane Boufal (Celta de Vigo)

O marroquino foi uma contratação cara do Southampton, em 2016, depois de uma boa temporada pelo Lille. Não brilhou na Inglaterra, nem foi convocado para a Copa do Mundo, e acabou fazendo parte da barca de jogadores dispensados pelo técnico Mark Hughes. Chega por empréstimo ao Celta de Vigo para tentar a sorte na Espanha. 

Néstor Araújo (Celta de Vigo)

O zagueiro de 27 anos foi quatro vezes campeão pelo Santos Laguna, em quase 150 partidas defendendo o clube, e foi campeão olímpico pelo México, em 2012. Pela seleção principal, jogou a Copa América do Centenário e a Copa das Confederações, mas perdeu a Copa do Mundo por causa de uma lesão. Custou pouco para um currículo tão vasto: € 7 milhões. 

William Carvalho (Bétis)

Jogador experiente, especulado em grandes clubes da Europa, e titular da seleção portuguesa. William Carvalho, 26 anos, foi um dos jogadores que pediu rescisão contratual com o Sporting por justa causa, depois da agressão de torcedores nos vestiários do clube. Permitiu a Quique Setién reforçar o seu meio-campo.

Giovani Lo Celso (Bétis) 

Aquele bom negócio para todo mundo. Aos 22 anos, Lo Celso precisa jogar, o que dificilmente aconteceria com regularidade no Paris Saint-Germain. E o Bétis encontrou um jogador talentoso por um preço barato – empréstimo por € 2 milhões e opção de compra – para reforçar o seu elenco.

Takashi Inui (Bétis) 

Takashi Inui (Foto: Getty Images)

Responsável por uma procissão de japoneses para vê-lo jogar pelo Eibar, Takashi Inui chega ao Bétis com moral, depois de uma boa Copa do Mundo em que marcou duas vezes e deu uma assistência em quatro partidas. Aos 30 anos, chegou sem custos para compor o ótimo mercado do time de Sevilha.

Sergio Canales (Bétis)

Canales não se tornou o jogador que prometia quando foi contratado pelo Real Madrid, em 2010, mas teve temporadas consistentes pela Real Sociedad nos últimos anos e tem talento. Mais importante ainda para o Bétis, foi contratado de graça, ao fim de seu contrato com os bascos.

Mikel Merino (Real Sociedad)

Foi destaque do Osasuna na segunda divisão, a ponto de ser contratado pelo Borussia Dortmund, clube habituado a apostar em jovens. Teve poucas chances na Alemanha (nove jogos) e foi repassado ao Newcastle. A Real Sociedad aproveitou a cláusula de rescisão relativamente baixa de seu contrato com os ingleses (€ 12 milhões) para contratar o jogador que foi comparado a Xabi Alonso por Rafa Benítez. Ele pode jogar na zaga também.

Sandro Ramírez (Real Sociedad)

Não deu certo a ida de Sandro Ramírez para a Inglaterra, nem o empréstimo para o Sevilla, no último mês de janeiro – 18 jogos, nenhum gol. A próxima tentativa é com as ambições mais modestas da Real Sociedad. Pelo Málaga, na temporada 2016/17, Sandro Ramírez destacou-se com 14 gols em 30 rodadas, uma boa média para o meio da tabela do Espanhol.

Santi Cazorla (Villarreal)

Cazorla, do Villarreal

Uma volta para casa. Santi Cazorla tem parte importante da sua carreira atrelada ao Villarreal e foi nesse clube que buscou refúgio para recuperar o seu futebol, depois de 636 dias sem jogar, por causa de uma séria lesão no pé, que chegou a provocar o risco de uma amputação. Ele já foi titular das três primeiras rodadas deste Campeonato Espanhol.

Luis Advíncula (Rayo Vallecano)

O peruano foi uma das boas notícias da seleção peruana na Copa do Mundo, sempre com muita potência no apoio pelo lado direito. Experiente, com passagens por Alemanha, Portugal, México e Brasil, chegou por empréstimo para reforçar o recém-promovido Rayo Vallecano. 

Gaël Kakuta (Rayo Vallecano)

Kakuta foi um craque nas categorias de base, a ponto de o Chelsea arriscar punições da Fifa e da Uefa para contratá-lo do Lens, ainda com 16 anos. Mas sua carreira nunca decolou. Foi inúmeras vezes emprestado pelos ingleses, mestres nesse tipo de negócio, e foi parar no Hebei Fortune, da China, depois de uma temporada no Sevilla. Na Espanha, também já defendeu o Deportivo La Coruña e o próprio Rayo Vallecano, em 2014/15, quando jogou 35 vezes e fez cinco gols.

Gianelli Imbula (Rayo Vallecano)

O volante tem trocado bastante de clube, desde que fez duas temporadas cheias pelo Olympique Marseille. Foi vendido ao Porto, por € 20 milhões, mas jogou poucas vezes e acabou repassado ao Stoke City, por € 24 milhões, um ano e meio depois. Passou a última campanha emprestado para o Tolouse e, com o time inglês na segunda divisão, acabou mais uma vez repassado, agora ao Rayo Vallecano.