A seleção da Islândia vive um momento de transição. A mudança no comando, com a chegada de Erik Hamrén, se une à aposentadoria de alguns jogadores de relevo. E mesmo que mantenha parte da base que protagonizou os últimos sucessos, o reinício da jornada se mostra bastante difícil aos nórdicos. A equipe tomou um vareio na visita a St. Gallen, em sua estreia na Liga das Nações. Dificuldades de um lado, diante da frágil defesa, mas muitos méritos do outro, com a Suíça protagonizando uma atuação bastante ofensiva e criando muitas chances de gol. Ao final, a goleada por 6 a 0 saiu até barata, pelo domínio dos anfitriões. É a maior derrota sofrida pelos nórdicos desde 2001, em 6 a 0 aplicados pela Dinamarca nas Eliminatórias da Copa de 2002.

Se alguns insistem que a Suíça sustenta o estereótipo de time defensivo, não foi o que se viu em St. Gallen. Sabendo que a Islândia se fecharia na defesa, a equipe de Vladimir Petkovic partiu para cima e começou a resolver a partida logo cedo, com muita velocidade em suas ações. O primeiro gol saiu aos 13 minutos, a partir de uma sapatada de Steven Zuber no ângulo. Já aos 23, o promissor Denis Zakaria apareceu na área para concluir e ampliar. O controle do jogo era total dos anfitriões, com Xherdan Shaqiri quase anotando um golaço de voleio. Por mais que os islandeses tentassem se fechar, concediam mais espaços do que o costumeiro.

Já no segundo tempo, 25 minutos bastaram para a goleada ganhar forma. Uma falta cobrada por Shaqiri contou com desvio no meio da área e passou pelo goleiro Hannes Halldórsson, valendo o terceiro gol. Depois, em uma belíssima jogada coletiva, Haris Seferovic recebeu o passe de calcanhar de Fabian Schär e bateu no cantinho para fazer o quarto. Seferovic também atacaria de garçom e passaria ao garoto Albian Ajeti, que saiu do banco e concluiu para as redes, marcando o quinto. Já aos 37, aproveitando a avenida pelo lado direito do ataque, Zakaria cruzou e Admir Mehmedi apareceu livre para cutucar, encerrando o massacre. A Suíça ainda teve dois tentos anulados ao longo da tarde, o que dá uma noção maior sobre a superioridade.

A Suíça mostra as suas credenciais na Liga das Nações e a goleada pode ser importante para avançar na chave. No entanto, os helvéticos sabem que correm por fora, com a Bélgica encabeçando o grupo. Na próxima terça, acontece o segundo jogo, com os Diabos Vermelhos visitando a Islândia. Já os suíços voltam a campo apenas em outubro, quando acontece o primeiro encontro com os belgas pela nova competição da Uefa.