Um time que vem da Série B para a Série A já sabe que terá que enfrentar um enorme desafio. Clubes com orçamentos muitas vezes maiores e ainda dificuldades logísticas quando falamos sobre um time como o Ceará, que é de Fortaleza. Com a maioria dos clubes no Sul e Sudeste do país, essa não é uma dificuldade desprezível. Por isso, a empolgação que tomou conta de torcedores desde a chegada de Lisca é compreensível. Neste sábado, foi contra o Fluminense. Uma vitória por 1 a 0, sofrida, com um golaço de Leandro Carvalho, aos 40 minutos do primeiro tempo.

LEIA TAMBÉM: Entre insistências e decisões discutíveis, o Santos busca novas perspectivas sem Jair Ventura

“Time jogou muito hoje, o treinador é só o representante. Eu já tenho um caso de amor com a torcida desde 2015. Ninguém apaga isso. Ninguém vai apagar”, afirmou o treinador, ainda no campo. “Estamos nos recompondo aos poucos, com calma e tranquilidade. Hoje, os jogadores deram tudo de si e conseguimos o resultado que queríamos. Merecemos a vitória; tenho certeza que o torcedor saiu feliz com o desempenho da equipe. A gente vai brigar até o final. Não vamos deixar de lutar em nenhum minuto”, declarou Lisca, em coletiva após a vitória sobre o Flu.

A situação ainda é muito dura. Com os três pontos conquistados diante do Fluminense, o Ceará ainda é o 19ª colocado na tabela do Brasileirão. Com 11 pontos depois de 15 jogos, o Vozão conseguiu apenas sair da lanterna, ao menos temporariamente. Enfrentará na próxima rodada o Paraná, no dia 5 de agosto, no estádio Durival de Brito, em Curitiba.

Os dois times vieram da Série B e são dois dos que menos recebem de cota de TV na Série A, R$ 23 milhões, mesma quantidade que recebe o América Mineiro, outro time que veio da Série B e, neste momento, é o 14º colocado. O líder, Flamengo, recebe R$ 170 milhões anuais, mesmo quantidade do Corinthians (atual 7º). O São Paulo, atual vice-líder, recebe R$ 110 milhões, pouco a mais que Palmeiras (4º) e Vasco (11º), com R$ 100 milhões. A receita de TV é a principal fonte de arrecadação dos clubes brasileiros (e da maioria dos clubes do mundo).

Depois do jogo, Lisca deu uma volta no estádio, cumprimentando a torcida, vibrando, de maneira enérgica, como ele costuma ser. Desde a sua chegada, no dia 4 de junho, foram dois empates contra Botafogo e Palmeiras, duas derrotas vendendo caro para Atlético Mineiro e Inter, e duas vitórias, contra Sport e agora contra o Fluminense. O aproveitamento total do time ainda é baixo, 24,4%. Será preciso ir além disso, evidentemente, para escapar do descenso. O que, para um time com o orçamento do Ceará, já é mais do que suficiente para o primeiro ano de volta à primeira divisão.