Não foi a partida perfeita. Ainda assim, a Argentina avança com autoridade às semifinais da Copa América. A Albiceleste provou sua superioridade técnica contra a Venezuela para golear os adversários por 4 a 1. A Vinotinto até teve os seus momentos no jogo e ameaçou a vantagem clara dos rivais. De qualquer forma, a qualidade dos principais favoritos ao título se escancarou pelo futebol fácil no ataque, sem perdoar os erros dos venezuelanos. Titular pela primeira vez na competição, Lionel Messi brilhou com um gol e duas assistências. Enquanto isso, Gonzalo Higuaín também merece elogios ao quebrar o seu jejum no torneio, logo com dois gols.

A Argentina não demorou a deslanchar em campo. Logo nos primeiros minutos, Messi protagonizou duas boas jogadas, mas em ambas falhou. Já aos sete, coube ao camisa 10 servir Higuaín, em excelente lançamento que o centroavante arrematou de primeira. Caminho aberto para que a Albiceleste se soltassem em campo, sufocando no ataque. Até que, aos 27, depois de um erro grotesco da defesa venezuelana, Higuaín saísse na cara do gol e ampliasse. A partir daquele momento, a expectativa era de goleada.

No entanto, a Venezuela ainda tinha futebol a mostrar. E poderia ter diminuído a desvantagem, não fosse Sergio Romero. O goleiro da Argentina realizou três grandes defesas, enquanto Salomón Rondón chamava a responsabilidade. O centroavante, inclusive, chegou a carimbar a trave uma vez. Só que o camisa 1 também cometeu uma penalidade aos 43. Erro redimido graças à cobrança bisonha de Seijas. Como faz com certa frequência, o novo reforço do Internacional bateu com cavadinha. Esperto, Romero encaixou a bola mansa em seus braços. Um desperdício imenso, até por tudo aquilo que a Vinotinto produzia naquele momento.

A Argentina voltaria a acordar na volta do intervalo. Para matar a partida. Aos 14, após mais um erro venezuelano na saída de bola, Gaitán serviu Messi, para marcar seu 54° tento pela seleção e igualar Batistuta como maior artilheiro do país. Enquanto os argentinos diminuíam o ritmo, Rondón finalmente descontou, de cabeça, aos 25 minutos. Alegria passageira, já que Lamela voltaria a retomar a folga instantes depois. Depois disso, a Albiceleste ainda criou mais algumas chances, mas a goleada já era cômoda o suficiente para grandes esforços.

Apresentando um futebol consistente, a Argentina terá um desafio e tanto contra os Estados Unidos nas semifinais, em Houston. Apesar disso, o favoritismo se mantém, até pela maneira como o setor ofensivo da Albiceleste se mostra bem encaixado. A Venezuela, por sua vez, deixa a Copa América com a sensação de dever cumprido, apesar da goleada. Para quem vinha de péssima campanha nas Eliminatórias, cotada a saco de pancadas, a Vinotinto surpreendeu com a classificação. Ganha confiança para a sequência do trabalho Rafael Dudamel, impressionando em seu início como técnico. Ainda assim, nada que tenha sido páreo à seleção argentina.