Allan vinha de ótimas temporadas com a camisa do Napoli. E o início da Serie A 2018/19 ajuda o meio-campista a ficar ainda mais em evidência. Sem mais Jorginho na faixa central dos celestes, o brasileiro se tornou instrumental no ótimo início de campanha do clube. Comandou a meia-cancha com duas atuações maiúsculas nas duas primeiras rodadas, durante as vitórias sobre Lazio e Milan. Elogiadíssimo pela imprensa local, o brasileiro deu uma assistência em cada uma das viradas, permitindo que Lorenzo Insigne e Dries Mertens decretassem as vitórias. Bons momentos que tornam ainda mais questionável sua ausência nas convocações da seleção brasileira.

Já merecendo uma chance há meses, Allan pede passagem neste momento de renovação. Aos 27 anos, seu último momento com a camisa amarela aconteceu no sub-20, quando integrou o elenco de Ney Franco na conquista do Sul-Americano e do Mundial em 2011. E, apesar da cidadania portuguesa, o meio-campista garante que aguarda seu tempo na Seleção. Em entrevista nesta semana, ele apontou que está no aguardo do chamado de Tite.

“A seleção brasileira é um objetivo para mim, o mais importante. Estou fazendo o meu dever: jogar bem aqui para merecer uma chance. Tite está dando muitas oportunidades àqueles que atuam no Brasil, mas espero que ele faça o mesmo com aqueles que estão na Europa”, declarou o meio-campista, em entrevista à Rádio Kiss Kiss.

Allan falou sobre outros assuntos na conversa. Especialmente, enfatizou a necessidade do Napoli em buscar uma taça: “Na última temporada, encerramos o campeonato com 91 pontos, mas não foi suficiente para conquistar o Scudetto. Ficamos bastante desapontados. Neste ano, tentaremos conquistar algo, talvez marcar menos pontos bastará. Eu darei meu máximo pelo time, porque chegou o momento que o Napoli precisa conquistar um título importante”.

O meio-campista falou sobre a força coletiva do Napoli, que explica seu alto rendimento: “Fico muito honrado em ser considerado um dos melhores do time, mas é todo o elenco que está se saindo bem, não apenas eu. Nós nunca desistimos, provamos a todos o que podemos fazer nestas primeiras rodadas. É uma equipe especial, que sempre se ajuda nas dificuldades. Contra o Milan, os dois gols de Zielinski melhoraram o ambiente. Não podemos dar gols aos adversários como aconteceu nos dois primeiros jogos, precisamos nos concentrar durante os 90 minutos”.

Por fim, apesar da saída de Maurizio Sarri, Allan garante que o time continua competitivo com Carlo Ancelotti e elogiou bastante o novo comandante: “É fácil trabalhar com um treinador calmo e sereno como Ancelotti. Ele trata de nos dar muita liberdade e sempre possui alguns conselhos para o posicionamento em campo, para movimento a se fazer. Ele explica as coisas sem precisar gritar. Permite que demos o máximo nos treinamentos, o que transmite tranquilidade para a sequência do trabalho”.