Quando acabou a temporada 2017/18 da Premier League, na qual o seu Hull City foi rebaixado, dificilmente Andy Robertson imaginava o que viria pela frente. Em vez de jogar a Championship, o lateral esquerdo foi contratado pelo Liverpool, ganhou a posição rapidamente e disputou uma final de Champions League.  E, agora, foi escolhido como o novo capitão da seleção escocesa, embora tenha apenas 24 anos.

Robertson tem uma história bacana. Em 2012, quando havia acabado de entrar na vida adulta, ainda defendia o Queen’s Park, time amador da Escócia, depois de ser rejeitado no Celtic porque era “pequeno demais”. Paralelamente, atendia os telefones do Hampden Park para ter algum dinheiro no bolso e havia combinado com os pais que, se não se firmasse no futebol profissional na próxima temporada, abandonaria o sonho para se concentrar nos estudos.

Ele estreou contra o Berwick Rangers, aos 18 anos, à frente de 372 torcedores. Deu sorte porque disputou a terceira divisão ao mesmo tempo que o Rangers, o que significou mais aparições na televisão do que o comum. Por volta de janeiro, clubes profissionais já estavam de olho, e ele assinou contrato com o Dundee United. Passou apenas uma temporada no clube, vencendo o prêmio de Jovem Jogador da Escócia naquele ano, e desceu a fronteira para defender o Hull City.

Pegou uma montanha-russa no clube inglês, com dois rebaixamentos para a segunda divisão entre um acesso por meio dos playoffs da Championship. Chegou ao Liverpool como uma opção barata para a lateral esquerda, onde Alberto Moreno não se firmava e James Milner havia atuado improvisado. Com um jogo equilibrado entre capacidade defensiva e ofensiva, Robbo, como é chamado, ganhou confiança a ponto de poucos torcedores dos Reds ainda acharem que é necessário reforçar a posição.

“É uma grande honra para mim e para minha família, é um grande dia para nós”, disse, sobre o seu novo cargo na seleção. “Estou ansioso por liderar o time na sexta-feira (amistoso contra a Bélgica) e no futuro. É provavelmente o ápice da minha carreira. Estou ansioso para tentar liderar meu país de volta aos grandes torneios”.

A estreia pela seleção escocesa foi em março de 2014, ainda jogador do Dundee United. Ele tem 22 jogos pelo time nacional e marcou dois gols, contra Inglaterra, em amistoso, e Lituânia. Em março, ele já havia terminado a partida contra a Costa Rica com a braçadeira no braço. O capitão anterior era Scott Brown, que se aposentou do futebol internacional em fevereiro deste ano.