Wesley Sneijder recebeu uma homenagem do tamanho da sua importância na seleção holandesa. O meia, de 34 anos, fez ao seu último jogo pela Orange na vitória por 2 a 1 sobre o Peru, nesta quinta-feira em Amsterdã. Uma carreira com o time nacional que começou em 2003, teve bons e maus momentos, mas certamente mais recordações felizes. Sneijder deixa a seleção holandesa com 134 jogos e 31 gols. Foi vice-campeão mundial em 2010, e terceiro lugar em 2014. Foi um dos principais nomes da Holanda em momentos que a seleção esteve entre as melhores do mundo.

LEIA TAMBÉM: Bem bolado: Em nova propaganda, vários astros reclamam de seu ‘rating’ no Fifa 19

O Peru começou melhor e em dois lances quase chegou ao gol. Aos seis minutos, Yotún perdeu chance, sozinho. Aos 12, Farfán finalizou, Cillensen espalmou e mandou para escanteio. No escanteio, não teve jeito. Aquino subiu sozinho e tocou de cabeça para marcar 1 a 0. O gol no início deu ao Peru armas para contra-ataque, mas

Foi o dono da festa que participou do empate. Quando Sneijder estava prestes a sair para ser homenageado, ele mesmo roubou uma bola no meio-campo, passou para Frankie De Jong, que passou para Memphis Depay. Foi dele a finalização para o gol de empate: 1 a 1. Depois do gol, Sneijder, aí sim, foi substituído por Quincy Promes, deixando o campo pela última vez com a camisa da Holanda. Continuará jogando apenas por clubes. Atualmente defende o Al-Gharafa.

A Holanda virou o jogo aos 37 minutos do segundo tempo. Promes recebeu a bola, chutou da esquerda, a bola desviou na zaga e sobra para Memphis Depay, livre, tocar no canto e marcar mais um: 2 a 1 para a Holanda, que buscou muito a virada e conseguiu no fim do jogo. Destaque para Frankie De Jong, que conseguiu se destacar como um dos melhores a partir do momento que entrou em campo.

Sneijder deixa a seleção da Holanda, depois de ter visto Arjen Robben também se aposentar antes dele. A geração que bateu na trave pela conquista da Copa chega ao seu final com muitas glórias para lembrar, ainda que sem o título esperado. As Copas de 2010 e 2014 são os pontos mais altos da carreira, que também é bem-sucedida em clubes. Em 2010, além de ser um dos grandes nomes da Copa, dividindo a artilharia com Thomas Müller e Diego Forlán, com cinco gols, tinha levado a Internazionale à tríplice coroa – Champions League, Copa da Itália e Campeonato Italiano. Acabou não ficando entre os três finalistas do prêmio de melhor do mundo da Fifa (naquele ano, pela primeira vez, junto com a Bola de Ouro).

No domingo, a Holanda volta a campo, desta vez contra a campeã do mundo, França, pela Liga das Nações. Será a estreia da Oranje, enquanto a França faz o segundo jogo.