O Barcelona era amplamente favorito e conseguiu fazer valer isso ao vencer a Roma por confortáveis 4 a 1 nesta quarta-feira, no jogo de ida das quartas de final da Champions League. Uma vitória tão tranquila que nem precisou do poder de decisão de Lionel Messi. A vitória veio nas poucas chances claras de gol que o time teve, aproveitando bem e sem precisar jogar um grande futebol. O Barcelona foi indiscutivelmente melhor que a Roma em campo, embora não tanto a ponto de golear por 4 a 1. Mesmo assim, o time catalão soube decidir um jogo com as chances que se apresentaram e abraçou a sorte que teve com dois gols contra que saíram no jogo. A Roma não foi tão inferior, mas foi pior. E leva um prejuízo praticamente irreversível para a capital italiana.

LEIA TAMBÉM: Icardi perde chances incríveis e clássico entre Milan e Inter fica no zero

O jogo começou difícil para o Barcelona. E ao contrário de temporadas passadas, a posse de bola não era massacrante em favor dos catalães. Maior, sim, mas nada que causasse aquela sensação de estar fora do jogo que tantas vezes já vimos acontecer em temporadas anteriores. O que se viu foi um Barcelona fatal, que soube aproveitar as chances. E ainda contou com uma dose de sorte.

O primeiro gol, por exemplo, teve muita influência da falta de sorte. Depois de uma troca de passes na entrada da área do time italiano, De Rossi interceptou um passe com um carrinho, mas desviou para o fundo da rede, matando a chance de defesa de Alisson: 1 a 0, aos 38 minutos. Até ali, a Roma – e De Rossi, em particular – fazia bom jogo.

Até ali, o Barcelona pouco conseguiu fazer. Ofensivamente, o Barcelona não conseguia chegar com facilidade à área da Roma, mesmo com Lionel Messi se movimentando muito, puxando o jogo e Iniesta também tentando de fora da área. A Roma fazia um bom jogo, com De Rossi, inclusive, fazendo um ótimo jogo. Foi assim que terminou o primeiro tempo.

Logo no início do segundo tempo, Perotti perdeu uma grande chance de marcar o gol de empate. Em um cruzamento para a segunda trave, o argentino apareceu livre e tocou mal, tirando de ter Stegen e do gol. E como é comum em jogos desse tamanho contra times como o Barcelona, a punição veio e veio pesada.

Em cruzamento para a área, uma confusão tremenda e Umtiti tocou em meio a muitos jogadores. A bola cruzou a linha. O zagueiro francês saiu comemorando, mas quem tocou para dentro foi o zagueiro Manolas, da Roma. Mais um gol contra. O 2 a 0 no placar em favor do time blaugrana. O quinto gol contra a favor do Barcelona nesta edição da Champions League.

Antes que a Roma pudesse se recuperar, o Barcelona arrancou mais um gol. Suárez chutou forte, Alisson rebateu para o meio e Piqué, livre, marcou como se fosse ele o centroavante: 3 a 0, aos 14 minutos. Complicou demais a vida da Roma, que demorou a conseguir voltar ao jogo. Mas voltou.

Aos 32 minutos, grande chance da Roma. Ter Stegen fez bobagem na saída de bola, perdeu para El Sharaawy, que cruzou para Defrel. O francês dominou no peito e quando finalizou, Ter Stegen apareceu para se redimir. Logo depois, em um contra-ataque da Roma, Perotti chutou forte de fora da área e obrigou o goleiro alemão do Barcelona a nova defesa difícil.

O Barcelona diminuiu o ritmo e deixou a Roma tocar a bola. Aos 35 minutos, Dzeko recebeu dentro da área, girou e bateu no canto para marcar para a Roma: 3 a 1. O gol, como era esperado, esquentou o jogo. A Roma se animou para tentar mais um gol e, assim, diminuir o prejuízo pensando no jogo de volta. A Roma chegou a assustar e ficar perto do 3 a 2, o que acordou de vez o Barcelona no jogo.

Novamente, o time da casa passou a ficar mais no campo de ataque, tocando a bola e procurando espaços para marcar de novo. E viria o quarto, que, novamente, deixou a situação muito complicada para a Roma. Depois de cruzamento rasteiro de Denis Suárez para a área, Fazio não conseguiu afastar e Luis Suárez chutou forte de pé esquerdo para marcar 4 a 1.

Uma vantagem que basicamente acabou não só com o jogo, mas com a eliminatória. O Barcelona não jogou um futebol vistoso, nem fez das suas melhores partidas. Foi eficiente ao extremo para conseguir arrancar os gols que tornaram o placar maior do que a diferença dos times no jogo. Os 4 a 1 acabaram sendo uma punição severa demais à Roma.

Agora, o jogo de volta se torna quase impossível. É difícil imaginar, por exemplo, que Messi fará um jogo no mesmo nível que fez nesta quarta. A Roma precisaria de tudo que o Barcelona teve nesta partida e um pouco mais: eficiência acima da média e uma boa dose de sorte. O Barcelona está com um pé na semifinal.

Ficha técnica

Barcelona 4×1 Roma

Local: Estádio Camp Nou, em Barcelona (ESP)
Ábitro: Danny Mekkelie (HOL)
Gols: De Rossi (contra) aos 38’/1T, Manolas (contra) aos 10’/2T, Piqué aos 14’/2T (Barcelona), Dzeko aos 35’/2T (Roma) e Luis Suárez aos 42’/2T (Barcelona)
Cartões amarelos: Strootman, Kolarov (Roma)
Cartões vermelhos: nenhum

Barcelona

Marc-André Ter Stegen; Nelson Semedo, Gerard Piqué, Samuel Umtiti e Jordi Alba; Sergi Roberto (André Gomes aos 38’/2T), Ivan Rakitic, Sergio Busquets (Paulinho aos 22’/2T) e Andrés Iniesta (Danis Suárez aos 40’/2T); Lionel Messi e Luis Suárez. Técnico: Ernesto Valverde

Roma

Alisson Becker; Bruno Peres, Federico Fazio, Kostas Manolas e Aleksandar Kolarov; Daniele De Rossi (Gregoire Defrel aos 32’/2T), Lorenzo Pellegrini (Maxime Gonalons aos 15’/2T) e Kevin Strootman; Alessandro Florenzi (Stephan El Shaarawy aos 27’/2T), Edin Dzeko e Diego Perotti. Técnico: Eusebio Di Francesco