A Itália tenta seguir em frente depois de dias conturbados. Na última semana, um terremoto atingiu a região central do país, deixando cerca de 300 mortos e milhares de desabrigados. A tragédia não passou batida nesta quinta, quando a seleção italiana enfrentou a França, em amistoso vencido pelos Bleus por 3 a 1. E foi Gianluigi Buffon quem serviu de porta-voz do país, em uma forte mensagem para os presentes, enquanto faixas de homenagem se estendiam nas arquibancadas. Também se respeitou um minuto de silêncio em Bari.

Ao longo dos últimos dias, Buffon já havia se manifestado sobre o terremoto. Pelas redes sociais, agradeceu os esforços de quem estava escavando os escombros em busca das vítimas, enquanto na véspera da partida ressaltou o espírito de solidariedade e união que tomou a população. Já nesta quinta, o capitão teve uma postura ainda mais contundente. Com o microfone em mãos, falou ao público antes do apito inicial: “Estamos aqui pela seleção, mas também por nossos compatriotas atingidos pelo terremoto. Vamos ajudá-los, somos um só povo”. Significado que vai além do mero momento, considerando as divisões que costumam ser feitas entre o norte e o sul do país.

Buffon ainda protagonizou outro grande gesto durante a execução dos hinos nacionais. No início da Marselhesa, parte dos italianos iniciaram as vaias. Então, o capitão puxou os aplausos à canção francesa, acompanhada pelos outros jogadores e pela maioria do estádio, abafando o coro.

Já quando a bola rolou, o veterano pouco pôde fazer para evitar a derrota na estreia do técnico Giampiero Ventura. Aproveitando uma bobeira de Giorgio Chiellini, Anthony Martial abriu a contagem para os franceses. O empate veio logo na sequência, em grande jogada de Éder que Graziano Pellè completou como um digno centroavante. Porém, a França voltaria a ficar à frente no placar sete minutos depois, em belo chute de primeira de Olivier Giroud. E, no segundo tempo, Layvin Kurzawa fechou a vitória por 3 a 1. Paul Pogba limpou a marcação de maneira brilhante e passou para o lateral finalizar rente à trave, vencendo Gianluigi Donnarumma, em sua estreia pela seleção.

No fim, as duas seleções aproveitaram a ocasião para promover novidades. Daniele Rugani e Andrea Belotti também disputaram o primeiro jogo pela seleção italiana, entrando no segundo tempo, enquanto Didier Deschamps promoveu Djibril Sidibé e Ousmane Dembélé. Mas, apesar da precipitação no gol que tomou, Donnarumma seguiu no centro das atenções, tornando-se o mais jovem a defender os azzurri em 106 anos. “É indescritível, estou realmente emocionado. Buffon me disse para ficar calmo, fazer o que sei e aproveitar o jogo. É uma nova era, estou à disposição do técnico e tentarei me sair melhor”, declarou. Posto que passa de uma lenda a uma nova esperança.