No Recife, o Náutico era um campeão improvável antes de começar o campeonato. Sport, na primeira divisão, era o favorito. Mas não teve para ninguém. Desde o início, o Timbu foi muito bem, vencendo clássicos e confrontos diretos até a final. Na Arena Pernambuco, venceu o Central por 2 a 1, depois do primeiro jogo ter terminado 0 a 0. Assim, conquistou o seu primeiro estadual em 13 anos. O seu 22º título estadual veio com muita festa e com o atacante José Ortigoza, que decidiu o jogo mais uma vez.

LEIA TAMBÉM: As estrelas de Carli e Gatito brilharam: gol no último lance e título do Botafogo nos pênaltis

Ortigoza se destacou pelo Palmeiras, em 2009, e rodou pelo mundo. Jogou também no Cruzeiro aqui no Brasil. Estava no Cerro Porteño, time do seu país, e chegou ao Náutico em 2018 para ser uma peça decisiva na quebra do jejum alvirrubro. No total, contando Pernambucano e Copa do Nordeste, são 10 jogos e seis gols. Tornou-se o primeiro jogador estrangeiro a conquistar um título com a camisa do Náutico.

O Náutico tinha perdido do próprio Central no dia 21 de janeiro, na segunda rodada do estadual, em uma partida em Caruaru. Mas o time embalou desde então. Contra o Sport, na rodada seguinte, o Náutico passeou: fez 3 a 0 com facilidade no que foi chamado de “clássico do abismo”, pela diferença das folhas salariais dos dois times. O Náutico, vale lembrar, caiu para a Série C em 2017, tornando a distância financeira para o rival Sport ainda maior. Em campo, o time se superou.

O último título do Pernambucano do Náutico foi em 2004. Na época, o ídolo Kuki ainda jogava, marcou gol na final contra o Santa Cruz. os torcedores mais jovens do TImbu ainda não tinham visto o clube de coração gritar campeão. O técnico, aliás, é reconhecidamente torcedor do Timbu. Ele classificou o título, o sétimo da sua carreira, como o mais importante. E lembrou da época de torcedor. Ganhar agora como técnico deu um sabor especial à conquista.

“A fase áurea de papa títulos do Náutico foi na década de 60. Mas, até os anos 80, todos os títulos do Náutico eu tive a oportunidade de estar presente. Nos títulos que vieram depois (2001, 2002 e 2004), eu já era treinador, mas mesmo assim ainda ficava alguma coisa (de torcedor). Mas a partir de 2007, na minha primeira passagem como técnico do clube, eu entendi que tinha que realmente saber separar o lado pessoal do profissional”, disse Roberto Fernandes.

A folha salarial do Náutico é bem modesta se compararmos aos times de primeira divisão do país. Fica em cerca de R$ 200 mil. Agora, o time terá que brigar para voltar à Série B. A Série C começa na próxima semana e já terá um clássico, contra o Santa Cruz, no próximo domingo. Um jogo que marca o início de uma nova trajetória, de um clube que tenta voltar a estar entre os principais clubes do país. A Série C costuma ser muito difícil e, por isso, os comandados de Roberto Fernandes ganha muita força.

O Náutico está no Grupo A da Série C, junto com Santa Cruz, Atlético Acreano, Botafogo-PB, Confiança, Globo, Juazeirense, Remo e Salgueiro. Os quatro primeiros se classificam para as quartas de final, enquanto os dois últimos são rebaixados.