O Operário Ferroviário, clube tradicional de Ponta Grossa, o segundo mais velho em atividade no Paraná, disputou a Série B em 1991. Não foi mal: quarto lugar no seu grupo e 29º no geral, entre os 64 participantes. No entanto, no ano seguinte, a segunda divisão foi reduzida pela metade. O Fantasma foi um dos cortados, apesar de equipes piores colocadas que ele terem sido mantidas, e demorou 28 anos para retornar. Neste domingo, venceu o Santa Cruz com autoridade, por 3 a 0, e garantiu o acesso para a Segundona.

Depois de 14 vice-campeonatos estaduais, o Operário quebrou o jejum com o título paranaense de 2015 e, cinco anos depois de bater na trave do acesso na Série D, voltou para as competições nacionais. Mais uma vez, o clube perdeu nas quartas de final e ficou a uma partida de subir. Na temporada seguinte, foi rebaixado como lanterna do estadual e conseguiu voltar à elite apenas no último mês de maio, campeão com direito a um 7 a 0 contra o Cascavel na decisão.

Nesse intervalo, o Operário conquistou a Taça FPF de 2016 e ganhou mais uma chance de disputar a quarta divisão. Daquela vez, não apenas o acesso veio como o Fantasma conquistou o título e levantou o primeiro troféu nacional da sua história. A classificação para as quartas de final da Série C veio com o segundo lugar do Grupo B, empatado em pontos com o Botafogo-SP. No jogo de ida, o Santa Cruz lotou o Arruda e venceu por 1 a 0, levando uma vantagem mínima para Ponta Grossa.

O Santa Cruz teve a primeira chance clara do jogo, mas a finalização cruzada de Pipico foi para fora. Empurrado pela torcida no Germano Krüger, o Operário passou a exercer muita pressão para igualar o confronto e chegou a marcar, mas o árbitro assinalou impedimento de Schumacher. Aos 15 minutos, Ricardo Ernesto precisou fazer uma linda defesa para impedir o gol de Cleyton. O mesmo Cleyton soltou Lucas Batatinha, que bateu com muito perigo. O placar foi aberto com Alisson, que chutou da entrada da área e contou com um desvio no bololô da grande área para vencer Ricardo Ernesto.

Os pernambucanos não conseguiram reagir depois do intervalo, e o Operário selou a vaga com dois belos gols. O primeiro foi marcado por Schumacher que, como bom centroavante, estava esperto dentro da grande área para completar de primeira o cruzamento da direita. Agora como pivô, o camisa 9 abriu a jogada com um passe de calcanhar para Cleyton, que cruzou rasteiro, e Dione interveio de carrinho para fazer 3 a 0.

E aí foi só comemorar. Rebaixado pela segunda vez consecutiva ano passado, o Santa Cruz terá que amargar mais uma temporada na terceira divisão.