O estilo se manteve, a qualidade na troca de passes no campo de ataque, mas o Grêmio titular oscilou de rendimento mais uma vez e permitiu que o Estudiantes abrisse 2 a 0, no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores, na Argentina. Conseguiu empatar antes do intervalo e subiu o nível no segundo tempo, mas não chegou ao empate, apesar de jogar os últimos 15 a 20 minutos com um homem a mais. A derrota por 2 a 1 não é um desastre porque basta uma vitória simples, em casa, na partida de volta, para alcançar a classificação.

LEIA MAIS: Os detalhes da Batalha de La Plata, o épico que marca a história de Grêmio e Estudiantes na Libertadores

Mas essas quedas de rendimento preocupam. O último jogo dos titulares também foi assim. O Grêmio fez um primeiro tempo equilibrado contra o Flamengo, na Copa do Brasil, mas foi dominado no segundo. Desta vez, aconteceu o contrário: teve uma etapa inicial abaixo da média e melhorou depois do intervalo. Conseguiu dominar as ações, mas, sem Éverton, seu principal jogador ofensivo da temporada, houve problemas para criar chances claras de gol. 

O Grêmio não havia começado mal a partida. O goleiro Andújar levara dois sustos, com Cícero, de longe, e André, com um chute cruzado de dentro da área que passou perto, quando o Estudiantes abriu o placar. Os argentinos pressionaram a saída de bola. Francisco Apaolaza, 21 anos, recebeu, fora da área, e mandou um belo chute cruzado para marcar em sua estreia na Libertadores e na sua quinta partida como profissional do time de La Plata. 

Os brasileiros pioraram, em seguida. A organização não se desfez, mas os erros de passe se multiplicaram, a intensidade para recuperar a bola caiu, e Andújar foi pouco ameaçado, antes de Gastón Campi desviar escanteio e ampliar para 2 a 0. Antes do intervalo, Kannemann conseguiu descontar. Também em canto, André cabeceou primeiro, Andújar deu rebote, e o zagueiro argentino do Grêmio conferiu. 

O Estudiantes continuou mordendo e marcando forte, dificultando a vida do Grêmio, que apostou mais em cruzamentos e jogadas de bola parada no segundo tempo. Em um bate e rebate, Cícero tentou emendar de virada, mas pegou fraco na bola, e o árbitro já havia marcado infração. Pouco depois, Jael teve a chance de cabeça, mas finalizou em cima de Andújar. A expulsão do volante Zuqui, por segundo cartão amarelo, aos 31 minutos, exacerbou a pressão tricolor. 

Após o cartão vermelho, o Grêmio foi senhor completo da partida, mas buscou o empate mais na base do abafa do que das jogadas trabalhadas, e Andújar pouco teve que trabalhar. No fim, o gol de Kannemann minimizou os prejuízos do jogo fora de casa e permite um resultado simples em Porto Alegre para passar às quartas de final.