O gol que talvez seja o mais bonito da carreira de Cristiano Ronaldo não aconteceu. Ou melhor, aconteceu e não foi validado pela arbitragem. Foi em 2006, durante uma partida contra o Azerbaijão, pelas Eliminatórias da Eurocopa. O jovem craque recebeu um lindo passe de Deco, com o peito, e completou a jogada mágica com toda a sua habilidade. Dominou com a direita e logo emendou um belíssimo voleio. A bola bateu no travessão e no gramado duas vezes, antes que o goleiro adversário agarrasse. No entanto, erroneamente, o homem do apito afirmou que o arremate não tinha passado a linha.

Ao longo dos últimos anos, Cristiano Ronaldo buscou muitas vezes anotar um gol de bicicleta. Quem acompanha o dia a dia do português sabe que as tentativas foram várias. Não vinha dando sorte. Parou em milagres dos goleiros, na trave e até em bolas salvas em cima da linha pelos marcadores adversários. Na última Supercopa da Espanha, inclusive, arriscou contra o Barcelona. Pegou mal demais, isolando a bola rumo às arquibancadas. Desde então, o camisa 7 precisou ficar de molho, por conta da suspensão recebida por empurrar o árbitro no clássico. Jogou apenas um amistoso contra a Fiorentina. Voltou oficialmente nesta quinta, contra as Ilhas Faroe. E, justamente no primeiro arremate, acertou a tão almejada acrobacia.

“Eu vinha tentando este gol por um longo tempo. Era o gol que estava faltando em minha carreira”, declarou o craque, após a partida. E a noite no Estádio do Bessa (curiosamente, onde também havia ocorrido o lance contra o Azerbaijão) representou ainda mais, considerando os recordes históricos pelas Eliminatórias que Cristiano Ronaldo igualou ou quebrou. Certamente a pintura desta quinta será incluída nos melhores momentos do craque. Para ser lembrada com carinho, por todas a incansável corrida do artilheiro para torná-la real.