Um dos grandes ídolos da história do futebol dos Estados Unidos anunciou a sua aposentadoria, de forma repentina e imediata: Clint Dempsey deixa o futebol profissional. O anúncio foi feito pelo seu clube, o Seattle Sounders, nesta quarta-feira. O jogador histórico da seleção americana deixa o futebol profissional aos 35 anos. Colocou fim, assim, a uma carreira que durou 15 anos.

LEIA TAMBÉM: Torcida apaixonada e estádio próprio fazem Cincinnati ser a 26ª franquia da MLS

Dempsey é o único jogador masculino dos Estados Unidos a marcar gols em três Copas do Mundo consecutivas pelo país (2006, 2010, 2014). Foram 57 gols pela seleção americana, o que o coloca como o maior artilheiro da seleção dos Estados Unidos ao lado de Landon Donovan. Pela seleção, fez parte da histórica campanha na Copa das Confederações de 2009, além de ter conquistado a Copa Ouro três vezes, em 2005, 2007 e 2017. Fez 141 jogos pelos Estados Unidos, o terceiro com mais jogos na história do país atrás de Cobi Jones (164) e Donovan (157).

Nascido em Nacogdoches, no estado americano do Texas, Dempsey começou no futebol no New England Revolution ao ser a oitava escolha do Superdraft de 2004 da MLS. No início da carreira, atuava como meio-campista central, mas aos poucos foi sendo colocado mais à frente, se tornando um meia ofensivo até tornar-se um centroavante no final de carreira. Dempsey ajudou o Revolution a chegar a duas finais da MLS, em 2005 e 2006, além de ser campeão da US Open Cup em 2006.

Em 2007, Dempsey começou a sua aventura europeia. Foi atuar pelo Fulham, que o contratou por US$ 4 milhões. Foram 50 gols em 184 jogos no tive de Craven Cottage, onde ficou de 2007 a 2012. Depois, ainda jogou uma temporada pelo Tottenham, com 43 jogos e 12 gols marcados. Foi quando ele decidiu voltar à MLS. O Seattle Sounders pagou US$ 9 milhões e assinou um contrato de quatro temporadas com o jogador.

“Depois de pensar muito, minha família e eu decidimos que é o momento certo para deixar o esporte. Eu gostaria de agradecer a todos os companheiros de time, técnicos e equipe de apoio que eu trabalhei ao longo da minha carreira. Sempre foi meu sonho ser jogador profissional. Eu sou grato por ter feito essa jornada”, declarou Dempsey.

“Eu gostaria de agradecer a todos os torcedores que me apoiaram ao longo da minha carreira com o New England Revolution, Fulham, Tottenham, Seattle Sounders e a seleção masculina dos Estados Unidos. Vocês todos me fizeram me sentir em casa e isso é algo que eu sempre vou lembrar”, disse ainda o jogador.

O anúncio da aposentadoria de Dempsey antes mesmo do fim da temporada surpreende. Talvez tenha a ver com os problemas físicos que o afastaram de campoo nos últimos anos. Em 2016, ele se afastou do futebol por um problema cardíaco, embora tenha ajudado o time em parte da campanha que levou o clube ao título da MLS.

Em 2017, voltou muito bem e reconquistou o seu lugar inclusive na seleção americana. Nesta temporada, jogou 14 jogos pelo Seattle Sounders, mas provavelmente teria menos chances e ficaria mais na reserva até o fim da temporada, já que o time de Seattle contratou o peruano Raul Ruidiaz em junho.

“Clint Dempsey foi um dos jogadores de mais impacto na história do esporte no nosso país”, afirmou Don Garber, em comunicado, após o anúncio da aposentadoria de Dempsey. “Desde o seu sucesso inicial com o New England Revolution até suas conquistas como um grande jogador na Premier League e seleção dos Estados Unidos, Clint nos mostrou que não há limites para um jogador americano”.

“Sua decisão de assinar com o Sounders em 2013 no auge da sua carreira mandou uma mensagem à comunidade global do futebol que a MLS era uma liga em ascensão. Em nome dos nossos torcedores, nossos jogadores, nossos clubes e toda a família da MLS, eu quero parabenizar Clint na sua aposentadoria e desejar o melhor em seus futuros empreendimentos”, continuou Garber.

“Quando Clint chegou a Seattle em 2013, em muitos aspectos foi um momento decisivo para o nosso clube”, contou o dono do Seattle Sounders, Adrian Hanauer. “Sua contratação representa uma nova era na Majoer League Soccer, permitindo ao jogador mais bem-sucedido do nosso país voltar para casa e levar o jogo a novos níveis domesticamente. Cinco anos depois, não há dúvida na minha mente que Clint nos ajudou a conseguir isso, tanto em campo com o sucesso do clube nas últimas temporadas, e na nossa comunidade. Em particular, eu sei que muitos se inspiraram na determinação de Clint de voltar ao futebol na última temporada de um grande problema de saúde, e esse caráter é algo que eu vou lembrar muito em relação a ele. Clint é um lutador e ele sempre será um Sounder. Nós o agradecemos por tudo que ele fez pelo esporte”.