Desde a sua falência e o seu ressurgimento, o Rangers disputou 14 clássicos contra o Celtic. Sofreu 11 derrotas e, no máximo, conseguiu três empates – com uma vitória nos pênaltis durante a Copa da Escócia de 2015/16. Os últimos confrontos foram particularmente dolorosos, com goleadas dos alviverdes por 4 a 0 e 5 a 0 no intervalo de apenas duas semanas em abril. E a chegada de Steven Gerrard dava a esperança de que os Teddy Bears pudessem fazer diferente nesta primeira Old Firm da temporada. Não por enquanto. Os visitantes conseguiram fazer um placar mais apertado em Parkhead, mas os Bhoys mantém a sua hegemonia no dérbi, graças ao triunfo por 1 a 0, em que foram claramente superiores.

O começo de ambos os clubes no Campeonato Escocês deixou suas reticências. O Celtic sofreu a primeira derrota logo na segunda rodada, contra o líder Hearts. Já o Rangers acumulou dois empates em seus primeiros três jogos, embora tenha cumprido seu principal objetivo no mês, a classificação à fase de grupos da Liga Europa. Assim, a Old Firm surgia como uma possibilidade de se afirmar logo cedo, espantando as desconfianças. Melhor aos Bhoys, que precisavam de uma resposta à sua torcida depois de perder Moussa Dembélé no último dia do mercado de transferências.

Até por jogar em casa, o Celtic sustentava o favoritismo. Mas enquanto Brendan Rodgers lida com o desgaste de seus anos à frente do clube, Gerrard oferece um novo alento ao Rangers e sustentava um cartel invicto, com 12 duelos sem ser derrotado. O domínio, de qualquer forma, foi dos Bhoys. O time da casa teve mais posse de bola e finalizou muito mais, diante da proposta defensiva dos rivais. Foram três bolas no travessão e uma na trave. A insistência deu resultado aos 17 do segundo tempo. Depois de uma boa troca de passes, envolvendo a linha de zaga dos visitantes, Olivier Ntcham anotou o gol da vitória alviverde. A comemoração explosiva dos anfitriões, aliás, indicava o ambiente de pressão que vinham encarando.

As perspectivas melhoram à Old Firm. O Rangers se restabelece na elite e começa a se reestruturar, agora com um treinador que agrega ao menos em visibilidade ao clube. Além disso, a presença de ambos na fase de grupos da Liga Europa dá um tempero a mais à rivalidade. O placar apertado deste domingo sinaliza um pouco mais de competitividade. E, ao que parece, a hegemonia do Celtic no Campeonato Escocês sofre algum risco. Estrelado pelo veterano Steven Naismith, o Hearts começou voando e é o único que mantém os 100% de aproveitamento após quatro rodadas. Emoção que agrega interesse, algo que vinha faltando à liga nas últimas temporadas.