A Suíça mostrou qualidade para conseguir a primeira virada da Copa do Mundo. Em um jogo muito equilibrado com a Sérvia, o time conseguiu a vitória por 2 a 1, jogando uma boa partida, e está em uma ótima posição pensando em classificação para a próxima fase. Depois de empatar com o Brasil, os suíços agora vencem e chegam a quatro pontos, mesma pontuação brasileira. Na última rodada, Brasil e Sérvia duelam por uma vaga, enquanto a Suíça tenta garantir o primeiro lugar contra a Costa Rica. Se Brasil e Suíça vencerem, a definição de primeiro e segundo lugar será pelo saldo de gols. A Sérvia sabe que precisa vencer e, por isso, será um jogo difícil na última rodada para o Brasil. E pelo que mostraram de futebol até aqui, a Sérvia pode, sim, vencer o Brasil. Todos os jogos foram bastante equilibrados neste grupo.

LEIA TAMBÉM: Contos Russos #09: Peru, Argentina e a fotografia na parede

Início forte da Sérvia

A Sérvia chegou duas vezes com perigo antes dos cinco minutos. Primeiro, Mitrovic recebeu cruzamento e cabecou com perigo, obrigando ótima defesa do goleiro Sommer. Logo depois, Tadic fez uma linda jogada pela direita, puxou para a perna esquerda e cruzou para Mitrovic cabecear e marcar. Bem no jogo, a Sérvia teve os primeiros 20 minutos do jogo dominantes. Tocou bem a bola, chegou bem ao ataque.

Boas chances suíças

A Sérvia recuou e passou a pressionar menos a Suíça, que aumentou a sua posse de bola. Passou a atacar mais e criou duas ótimas chances. Dzemaili, nas duas vezes, finalizou mal. Os suíços equilibraram o jogo e poderiam ter empatado ainda no primeiro tempo. Mas o empate só veio na segunda etapa.

Depois de uma boa jogada de Shaqiri na direita, o meia chutou, a bola rebateu na zaga e sobrou pipocando de fora da área, daquele jeito “me chuta, me chuta”. Granit Xhaka não pensou duas vezes e soltou uma bomba de pé esquerdo, acertando um bonito chute: golaço de empate para a Suíça.

Kosovo x Sérvia

Dois jogadores da Suíça são kosovares. Shaqiri nasceu em Gijilan, no Kosovo, e seus pais se refugiaram na Suíça. Xhaka, autor do gol, nasceu na Basiléia, na Suíça, mas filho de pais refugiados kosovares. Um duelo que tem muito de político também.

Imposição física

Os dois times são fisicamente muito fortes e isso ficou claro desde o começo. Mitrovic, um dos jogadores mais fortes da Copa, brigou muito com os defensores suíços. A ponto de, no segundo tempo, dois jogadores adversários o segurarem, de forma até acintosa, e ele mesmo assim superar ambos em um cruzamento. Mas o árbitro decidiu marcar falta dele, que também puxou os zagueiros. Os dois times mostraram que se um time tentar vencer qualquer um deles no físico, terá dificuldades.

Suíça melhor no segundo tempo

Depois de empatar o jogo, a Suíça ficou mais perto de virar. Shaqiri, pouco depois do gol, acertou um chute muito perigoso na trave, assustando o goleiro Stojkovic. Depois, com a Sérvia passando a atacar mais, ganhou força nos contra-ataques.

Torcida russa

Como foi muito falado antes da Copa, os russos apoiaram muito a Sérvia. Em determinado momento do segundo tempo, com o jogo empatado, a torcida claramente era maior pela Sérvia. Há uma grande irmandade entre sérvios e russos, que vão muito além do futebol. Os dois países são muito próximos desde os tempos de Iugoslávia e União Soviética, com ajuda mútua em diversas situações.

Shaqiri

Shaqiri é um dos mais badalados jogadores da Suíça. Jogador do Stoke, ele foi uma figura de destaque da partida contra a Sérvia. Depois da bola na trave, ele foi também o responsável por fazer o segundo gol. Em um contra-ataque muito bem executado e rápido, Xhaka saiu jogando de dentro da sua área com Gavranovic, que, por sua vez, lançou em profundidade para Shaqiri correr. O ponta correu com a bola e mesmo com a sombra de Tosic, não foi alcançado: tocou com categoria, na saída de Sommer, e marcou.

FICHA TÉCNICA

Sérvia 1×2 Suíça

Local: Estádio Kaliningrado, em Kaliningrado (Rússia)
Árbitro: Feliz Brych (Alemanha)
Gols: Mitrovic aos 5’/1T (Sérvia), Xhaka aos 7’/2T, Shaqiri aos 46’/2T (Suíça)
Cartões amarelos: Milinkovic-Savic, Milivojevic, Matic, Mitrovic (Sérvia), Shaqiri (Suíça)

Sérvia

Vladimir Stojkovic; Branislav Ivanovic, Nikola Milenkovic, Dusko Tosic e Aleksandar; Luka Milivojevic (Nemanja Radonjic aos 36’/2T) e Nemanja Matic; Dusan Tadic, Sergej Milinkovic-Savic e Filip Kostic (Adem Ljajic aos 20’/2T); Aleksandar Mitrovic. Técnico: Mladen Krstajic

Suíça

Yann Sommer; Stephan Lichtsteiner, Fabian Schär, Manuel Akanji e Ricardo Rodríguez; Valon Behrami e Granit Xhaka; Xherdan Shaqiri, Blerim Dzemaili (Breel Embolo aos 28’/2T) e Steven Zuber (Josip Drmic aos 48’/2T); Haris Seferovic (Mario Gavranovic, intervalo). Técnico: Vladimir Petkovic