A polêmica em torno de Lionel Messi ganhou mais um capítulo hoje. O Comitê de Competição da federação espanhola aceitou a denúncia do La Coruña. O Barcelona terá dez dias para responder às alegações. O time galego tenta invalidar a inscrição do jogador argentino, ato prontamente respondido por Joan Laporta, presidente do Barcelona, tranqüilo por “ter uma base jurídica adequada”. O Alavés também procurou a LFP para pedir o mesmo.

O La Coruña entrou ontem com uma denúncia na Liga de Futebol Profissional (LFP). O clube galego alega que a escalação de Messi contra o Zaragoza, no último sábado, foi irregular. De acordo com a queixa encaminhada à entidade, a inscrição do jogador teria sido feita “fora do prazo hábil”.

Para o presidente do clube catalão, há muito barulho em torno do problema. “Estou surpreso pelo interesse em prejudicar a carreira esportiva de um jovem jogador. Creio que as reações produzidas sejam desproporcionais”, declarou, durante a apresentação do livro “El Barça y el franquismo”. Ele afirma que o Barcelona possui um fax da Real Federação Espanhola de Futebol que aprova a condição do argentino.

Laporta destacou que a impugnação da escalação de Messi “não tem base jurídica”, pois o jogador pode “atuar perfeitamente” tendo sido inscrito “como espanhol”. Para o presidente do Barça, existe uma espécie de complô contra o clube e o argentino. “Há um interesse especial por parte de alguns para que Messi não jogue pelo Barcelona”.

Na semana passada, Messi obteve passaporte comunitário e pôde ser inscrito para a disputa do Espanhol. O jogador estava impedido de atuar pelo Barça no torneio nacional pelo fato de o clube já ter o limite permitido de jogadores estrangeiros na equipe (Ronaldinho Gaúcho, Eto’o e Rafa Márquez). Os catalães tentaram incluir o argentino na categoria de atleta assimilado, proposta recusada por uma comissão da liga.