Diego Souza retornou à Ilha do Retiro, neste domingo, pela primeira vez desde que deixou o Sport, no começo do ano, para defender o São Paulo. E foi responsável por anotar o primeiro gol da vitória tricolor por 3 a 1, que mantém o clube paulista na liderança do Campeonato Brasileiro. Não comemorou ao marcar e foi além, relembrando o carinho que sente pela torcida do Leão, que retribuiu aplaudindo-o quando o jogador foi substituído no segundo tempo.

Foram quase três anos e meio a serviço do Sport, entre a metade de 2014 e o fim de 2017, com um breve intervalo de três meses em que tentou um retorno frustrado para o Fluminense. Marcou 57 vezes em 173 partidas e conquistou o Campeonato Pernambucano uma vez. Mostrou identificação com a camisa rubro-negra e ganhou boa parte da torcida ao provocar o Flamengo, no Brasileiro de 2015, quando apontou para o número 87 que ostentava nas costas do seu uniforme na comemoração do gol que marcou no Maracanã.

Para Diego Souza, o Sport também foi importante para que ele revitalizasse a sua carreira. Depois de uma rápida passagem pelo Cruzeiro, estava esquecido no Metalist, da Ucrânia, mas as suas atuações em Pernambuco acabaram valendo convocações para a seleção brasileira e uma chance, embora remota, de disputar a Copa do Mundo. Também atraiu o interesse dos centros mais ricos do futebol brasileiro e, se a saída para o Fluminense foi um fracasso, a ida para o São Paulo está dando certo.

O começo foi mais complicado. Contratado por R$ 10 milhões, demorou para engrenar no Morumbi, sem saber direito se seria centroavante ou meia-atacante, e o São Paulo cogitou negociá-lo com o Vasco. Mas a chegada de Diego Aguirre foi boa para ele, que anotou gol em cinco jogos seguidos no mês de maio e, recentemente, deixou sua marca contra Grêmio, Cruzeiro e, agora, contra o seu ex-clube.

Gabriel errou feio na saída de bola, e Reinaldo emendou rapidamente para Everton. O cruzamento encontrou Diego Souza na segunda trave. O atacante ainda teve frieza para dominar a bola antes de mandar para as redes. Ele não apenas evitou comemorar o tento como fez um gesto de coração com as mãos para a torcida do Sport. Na sequência, reverenciou o goleiro Magrão, ídolo do clube e seu ex-companheiro.

“A gente é profissional, vou fazer sempre meu melhor dentro de campo. Mas fui muito feliz aqui dentro e sem dúvida é diferente fazer um gol em um cara que esteve no meu lado muito tempo. É um dia muito importante para mim”, disse Diego Souza, em entrevista ao Premiere, no intervalo da partida. Aos 31 minutos do segundo tempo, quando foi substituído por Tréllez, a torcida do Sport aplaudiu o jogador.

O São Paulo ampliou com Nenê e levou um susto nos minutos finais, quando Marlone descontou. Mas Tréllez confirmou a vitória por 3 a 1, a sétima nas últimas oito rodadas do Campeonato Brasileiro. O clube paulista lidera com 38 pontos, um a mais que o Flamengo, que derrotou um Cruzeiro reserva, no Maracanã, por 1 a 0.