O currículo de Gabriel Pires é extenso. O garoto criado nas categorias de base do Vasco passou por sete clubes diferentes desde então. Explodiu com o Resende no Campeonato Carioca, atraiu as atenções da Juventus, rodou por equipes médias e pequenas da Itália. O grande negócio de sua carreira, porém, foi o mais arriscado, ao deixar Turim para se juntar ao Leganés na segunda divisão do Campeonato Espanhol. Escolha precisa, ajudando os pepineros a conquistarem o acesso inédito à primeira divisão e, comprado em definitivo, brilhando na estadia na elite. Já estava claro que o Estádio Nacional de Butarque estava pequeno ao meio-campista. E às vésperas de completar 25 anos, ele poderá disputar as competições europeias, apresentado pelo Benfica nesta segunda.

Gabriel rendeu dez vezes mais o investimento feito pelo Leganés, mas ainda assim saiu por um preço cômodo dentro do mercado de transferências. Custou €10 milhões aos cofres do Benfica, em contrato assinado pelas próximas cinco temporadas. É um jogador maduro, que não deve sofrer qualquer problema de adaptação na nova equipe e chega já para brigar por seu lugar dentro da rotação, pensando no acúmulo de jogos que os encarnados terão. A vaga na fase de grupos da Champions ainda está em risco, com a disputa contra o PAOK pela classificação nas preliminares, mas ao menos a Liga Europa o clube disputará.

Durante os três anos em que permaneceu no Leganés, Gabriel exibiu o seu melhor. É um meio-campista com muita presença física, que dá consistência à faixa central, mas também chega à frente com qualidade para definir. Não é exatamente um passador, embora ajude bastante no jogo direto por suas arrancadas e por sua qualidade no alto. Além disso, a combatividade sem a bola costuma ser um de seus grandes trunfos. Pode se encaixar muito bem na nova realidade, em uma equipe que precisa se recuperar após ficar devendo na temporada passada.

Os números de Gabriel são bons a quem atua no meio-campo. Em 111 jogos pelo Leganés, anotou 19 gols e deu oito assistências. O momento mais memorável aconteceu na Copa do Rei. Capitão dos pepineros, anotou o gol da vitória sobre o Real Madrid dentro do Santiago Bernabéu, que eliminou os merengues nas quartas de final da competição. Sem dúvidas, um ponto de virada em sua carreira para deixá-lo em evidência. Depois de muita dedicação e comprometimento na Espanha, chegando a renovar seu vínculo com o clube quando tinha outras propostas, sai deixando uma marca entre os torcedores.

“Sensação incrível por conhecer tudo, estou ansioso pelo que me espera, este ambiente incrível. É uma felicidade absurda. O Estádio da Luz tem uma atmosfera ótima. Os torcedores proporcionaram um ambiente fantástico no dérbi. Fiquei impressionado! Também já vi o centro de treinamentos e gostei de toda a estrutura. Estou muito feliz”, declarou Gabriel, em sua chegada, após já ter acompanhado o clássico contra o Sporting no final de semana. “Em primeiro lugar quero conquistar o meu espaço neste clube enorme e vencer. Só posso pensar em vencer. Este mês foi muito intenso. Jogar no Benfica é uma coisa muito grande, envolve muitas emoções. Quando percebemos que aconteceu é uma sensação muito boa e gratificante”.

Resta saber como será a nova temporada do Benfica, em que a Liga dos Campeões se torna um ponto crucial. O mercado de transferências dos encarnados é modesto e Gabriel se torna justamente a principal contratação, em uma lista que possui o atacante Facundo Ferreyra e o goleiro Odysseas Vlachodimos como principais destaques. O jogo de volta contra o PAOK, após o empate por 1 a 1 em Lisboa, terá peso decisivo ao planejamento. A Gabriel, o objetivo será se provar independentemente da realidade. O meio-campista pode ser capaz de dar saltos ainda maiores.