Gareth Bale completou o cruzamento de Marcelo com uma meia-bicicleta e mandou no ângulo do goleiro Loris Karius. Foi o segundo gol da vitória do Real Madrid por 3 a 1 sobre o Liverpool. E um golaço. Tão belo que virou rival do voleio que o chefe Zinedine Zidane acertou em 2001/02, na disputa por gol mais bonito da história das finais da Champions League.

LEIA MAIS: Gareth Bale rasgou a etiqueta e deixou uma marca indelével na final da Champions – talvez, seu último ato

A briga é mesmo boa. E, para esquentar o debate, selecionamos outros dez golaços marcados em decisões de Copa dos Campeões ou Champions League, desde a primeira, em 1955/56.

Notamos algumas coisas. O pessoal tinha sérias dificuldades para filmar futebol nos anos cinquenta. Mostravam a jogada e escondiam a finalização. Isso quando não passavam para a câmera atrás do gol, e as costas do goleiro bloqueavam a bola. Foi um pouco difícil ter uma noção mais ampla dos lances decisivos dos primórdios da Copa dos Campeões.

É sabido, também, que os goleiros evoluíram muito ao longo dos anos e isso fica muito claro nos gols analisados. Há falhas tão grotescas que fazem Karius parecer a reencarnação de Yashin. Os atacantes sabiam disso, tanto que testavam os arqueiros constantemente, e poucas vezes eles foram aprovados. Tem muito gol de média e longa distância.

Por fim, dois destaques: gol a cores é muito mais bonito que gol em preto e branco; e o melhor de todos é o do Zidane mesmo.

1960/61 – Benfica 3 x 2 Barcelona, – Zoltán Czibor (Barcelona)

Uma BOMBAÇA de fora da área, na primeira final da história do Barcelona.

1963/64 – Internazionale 3 x 1 Real Madrid – Felo (Real Madrid)

Jogada de escanteio, a bola sobrou para Felo, que emendou um voleio à queima-roupa. Mas não serviu muito para o Real Madrid.

1965/66 – Real Madrid 2 x 1 Partizan – Amaro (Real Madrid)

Amaro foi lançado, deu dois cortes no marcador e tocou na saída do goleiro. E o Real Madrid recuperou a Copa dos Campeões, seu sexto título.

1973/74 – Bayern de Munique 4 x 0 Atlético de Madrid – Gerd Müller (Bayern)

Este foi um jogo cheio de golaços. O primeiro de Müller foi bonito, o segundo de Hoeness também. Sem falar na bomba de Schwarzenbeck, que empatou o primeiro jogo no último minuto. Mas esta cobertura de Müller foi apelação.

1982/83 – Hamburgo 1 x 0 Juventus – Felix Magath (Hamburgo)

O único gol da final, marcado com muita categoria por Felix Magath.

1986/87 – Porto 2 x 1 Bayern de Munique – Rabah Madjer (Porto)

O clássico calcanhar de Madjer no primeiro título do Porto.

1993/94 – Milan 4 x 0 Barcelona – Dejan Savicevic (Milan)

O Milan atropelou o Barcelona. O terceiro gol foi marcado por Savicevic, por cobertura, a partir de um ângulo incomum.

1996/97 – Borussia Dortmund 3 x 1 Juventus – Alessandro Del Piero (Juventus)

A letra de Del Piero que resume toda a sua classe. Pena, para a Juventus, que não adiantou em nada.

2004/05 – Liverpool 3 x 3 Milan – Hernán Crespo (Milan)

 O passe de Kaká foi uma OBSCENIDADE. A finalização de Crespo foi boazinha também.

2016/17 – Real Madrid 4 x 1 Juventus – Mario Mandzukic (Juventus)

Uma puxeta surpreendente de Mandzukic – que também não ajudou muito para a Juventus.