Apesar de ter começado satisfatoriamente a temporada do Campeonato Italiano, o Milan entrou em um espiral negativo do qual não consegue se livrar há alguns anos. E para o camisa 10 do time, reserva sob o comando de Vincenzo Montella, a torcida do clube não anda ajudando muito. Após treinamento da seleção japonesa para enfrentar Iraque e Austrália, afirmou que os apaixonados pelo rossonero vaiam demais e não apoiam a equipe nos momentos ruins, segundo a agência de notícias japonesa Kyodo News.

LEIA MAIS: A emoção de Locatelli pelo primeiro gol com o Milan foi ainda mais bonita que seu chutaço

“No Japão, basicamente não há vaias”, afirmou Honda. “No Milan, eu acho que há vaias demais. O que está realmente errado com o Milan é que, quando você está mal em um jogo, eles o abandonam completamente. Eu não sinto nenhum amor. Mas, assim que você começa a vencer, eles o tratam como família. Então o que é importante para eles, apenas vitórias e vencer ou perder?”

Para Honda, que soma apenas 18 minutos em sete rodadas do Campeonato Italiano nesta temporada, essa pressão excessiva faz parte da razão da decadência do Milan e também da seleção italiana. “Estão obcecados por resultados e essa abordagem pode funcionar se você tiver o talento e puder lidar com a pressão”, afirmou. “Mas, se você não tiver, e está tentando o seu lugar ao sol, esse tipo de atitude não funciona. Se essa é a atitude, então tudo que você está fazendo é esperando pelo próximo Maldini ou Gattuso”.

Comparando com a atmosfera dos estádios japoneses, Honda afirmou que é  diferente como “noite e dia”, porque muitos torcedores torcem pela bandeira, como acontece, em geral, na Olimpíada. “Os torcedores aqui são gentis e o estádio não fica lotado de gente que está absolutamente morrendo para ver futebol. Para torcedores como eles (os japoneses), poderia ser rúgbi ou vôlei, que eles veriam. O que é importante para eles é que o Japão vença, que o o time jogue duro. Então, quando jogo pelo Japão, eu sinto que estou jogando pelo meu país mais do que apenas por um time de futebol”, concluiu.

Honda chegou ao Milan em janeiro de 2014 e, desde então, soma 85 partidas pelo clube italiano, com dez gols marcados.