Leroy Sané vive uma semana delicada. O ponta não participou da vitória do Manchester City no final de semana, excluído do elenco por Pep Guardiola. Segundo a imprensa inglesa, o treinador vinha questionando a falta de atitude e comprometimento do jovem nos treinamentos com a equipe. Dias depois, chegou a vez de se juntar novamente à seleção alemã, pela primeira vez desde sua ausência na Copa do Mundo – motivada por indagações parecidas feitas por Joachim Löw. E um dos desafios ao prodígio será ouvir e lidar com as críticas que são direcionadas à sua postura. Nesta quarta, Toni Kroos falou publicamente sobre Sané. Não poupou o tom sobre como o companheiro deve agir na seleção, por mais que tenha direcionado outros elogios e se colocado como um admirador de seu futebol.

“Você às vezes tem a sensação de que ele não se importa se ganhamos ou perdemos. Entendo isso de sua linguagem corporal, embora eu não saiba o que ele pensa. Ele precisa mostrar as qualidades. Então, pode ser uma arma absoluta para nós. Ele tem tudo para se tornar um jogador de primeira linha, mas às vezes precisa saber o que fazer. Está claro que você tem que encontrar uma forma para levá-lo ao melhor. Se ele trouxer para nós todas as habilidade em campo, vai nos ajudar demais. Leroy vem de uma temporada fora de série com o Manchester City”, declarou Kroos, durante coletiva de imprensa.

Outro assunto espinhoso analisado por Kroos durante a entrevista foi a aposentadoria de Mesut Özil. O meio-campista não vê o alegado racismo interno que se aludiu no episódio: “Mostramos o oposto do que foi dito. É uma situação única e especial com Mesut, mas quando dizem que houve racismo institucional da DFB e do presidente da federação, eu discordo. O time é um bom modelo à sociedade inteira e demonstra como o multiculturalismo funciona. Todos os jogadores são bem-vindos em nosso time”. Vale lembrar que Özil não gostou do tratamento dado pela federação à sua escolha de posar ao lado de Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia, e renunciou ao Nationalelf acusando uma discriminação por suas origens no comando da DFB.

Em meio a todo o tumulto, também pela eliminação precoce na Copa do Mundo, a Alemanha terá um grande desafio na Data Fifa. Já nesta quinta-feira, o Nationalelf recebe a França na Allianz Arena, iniciando a jornada das seleções na Liga das Nações. Três dias depois, um pouco mais de tranquilidade no amistoso contra o Peru, na Rhein-Neckar Arena. Duas partidas para que os alemães mostrem serviço em campo e diminuam um pouco o teor das avaliações sobre o time.