No futebol italiano, não pode dizer o nome de Deus em vão. Nem desrespeitá-lo. O meia Rolando Mandragora, da Udinese, foi suspenso por uma partida da Serie A por “blasfêmia”, depois de ter sido flagrado na leitura labial proferindo insultos contra figuras religiosas.

O desabafo de Mandragora foi na vitória da Udinese, por 1 a 0, sobre a Sampdoria, no último domingo. A interpretação da liga italiana é que o jogador disse “Porca Madonna, Vaffanculo, Dio Cane”. Seriam um xingamento à Virgem Maria e uma referência a Deus como “cão”.

A Serie A reconheceu que Mandragora não estava se dirigindo a nenhum outro jogador, portanto não xingou ninguém especificamente, mas ainda assim decidiu puni-lo. “Depois de adquirir e examinar as imagens de televisão, o jogador foi claramente visto fazendo comentários blasfêmicos, visivelmente identificáveis pela leitura labial, sem margem para nenhuma dúvida razoável”, descreveu o relatório disciplinar.

Desde 2010, o futebol italiano pune a blasfêmia, e um dos primeiros a se encrencar com isso foi Gianluigi Buffon. Ele teve que se desculpar por usar “Deus” como um expletivo, embora uma vez tenha dito que na verdade tinha dito “tio” – em italiano, um é “Dio:, o outro é “zio”.