Kylian Mbappé voltou ao Paris Saint-Germain como uma das grandes estrelas da seleção francesa, campeã do mundo. Ele começou no banco contra o Guingamp, na segunda rodada do Campeonato Francês, depois do período de folga depois da Copa. Foi preciso acioná-lo já no intervalo, quando o time perdia por 1 a 0. Ele entrou, mudou o jogo, participando de um gol e marcando outros dois, e saiu de campo ovacionado como o melhor da partida. Só que o astro francês disse que só há uma grande estrela em Paris e ele atende pelo nome de Neymar. O brasileiro marcou um gol e deu uma assistência na vitória por 3 a 1.

LEIA TAMBÉM: Tá complicado? Chama o Mbappé: com ele em campo, PSG descomplica e vira sobre Guingamp

Foi Neymar que sofreu o pênalti, e cobrou, para empatar o jogo quando o PSG perdia por 1 a 0. Depois, ele inicia a jogada, que acaba em Di Maria dando o passe para Mbappé marcar. Por fim, ele faz o passe para o francês marcar o seu segundo gol e fechar o placar em 3 a 1. E apesar das exaltações a ele, Mbappé destacou Neymar na partida e mostrou humildade.

“Neymar é uma superestrela, mais do que eu. Ele trabalhou muito no Barcelona para isso”, afirmou Mbappé, depois do jogo, ao Canal+. “Com um gol e uma assistência, não é nada mau também. Eu tento fazer o que eu posso para ajudar o time a vencer”, continuou o atacante francês. Depois da folga após a Copa do Mundo, Mbappé diz que o foco já virou para a temporada no PSG. “Nós ganhamos, comemoramos, mas futebol continua, minha carreira começa, eu tenho objetivos muito altos com o Paris, com a seleção da França e ao nível individual. Nós não teremos tempo para ficarmos sentados”.

A vitória veio para o PSG, mas o desempenho do time não agradou ao técnico Thomas Tuchel. “Não é possível começar jogando uma partida como fizemos no primeiro tempo. Nós não estávamos preparados para este jogo aqui”, disse o técnico alemão. “Ficou claro que o Guingamp é um time muito intenso, que joga com coragem e muitas qualidades individuais, muitos confrontos aéreos. Nós não estávamos prontos para isso, de modo algum. E nós tivemos sorte que o resultado não foi 2 a 0 ou 3 a 0 [no primeiro tempo]”, criticou o técnico.

“E foi por isso que nós mudamos algumas coisas, Kylian, com a organização, mas, o mais importante, com outra abordagem no jogo. Houve muitos problemas com a nossa organização no ataque, para defender, e por outro lado a situação ainda é complicada para nós porque os jogadores não estão na melhor forma, porque eles chegaram tarde por causa da Copa do Mundo. É por isso que foi importante vencer a partida, mas hoje foi muito difícil”, explicou Tuchel.

Polêmica com o VAR

O técnico do Guingamp falou sobre o jogo e reclamou sobre o uso do VAR, que na opinião dele, prejudicou o seu clube. “Houve duas decepções. A primeira foi no primeiro tempo, que poderíamos ir para o intervalo com um 2 a 0 no placar”, afirmou Antoine Kombouare. “Depois disso, cabe ao árbitro, e nós vimos que foi contra nós”.

O árbitro anulou um gol do Guingamp por uma suposta falta na jogada, vista pelo VAR. Houve muita reclamação sobre o lance e o presidente do Guingamp também veio a público após a partida para reclamar. “Acima de tudo, não foi uma grande noite para a arbitragem de vídeo”, afirmou Bertrand Desplat. “Você pode ver que há um enorme progresso para ser feito e a arbitragem francesa terá que acelerar, porque não se pode arruinar noites desse jeito”.