Um dos técnicos mais importantes do futebol argentino, Cesar Luis Menotti não concorda com a escolha dos três finalistas do prêmio The Best, da Fifa. Cristiano Ronaldo, Luka Modric e Mohamed Salah são os escolhidos, algo que o ex-treinador argentino definitivamente não acha justo. Foi a primeira vez desde 2006 que Lionel Messi não está entre os três melhores. O craque do Barcelona esteve sempre entre os finalistas na premiação – seja de melhor do mundo, seja no formato Bola de Ouro (que voltou a ser separada, agora oferecida apenas pela revista France Football).

LEIA TAMBÉM: Para Alfio Basile, o futebol teve apenas três extraterrestres: Maradona, Messi e Pelé

“A verdade é que eu não entendo. É muito discutível, injusto. É como ter Di Stéfano ou Cryuff jogando hoje e não os nomear”, disse Menotti. O treinador campeão do mundo em 1978 vai além disso: para ele, sequer há discussão sobre quem é o melhor do mundo. “Messi é único. Não tenho nenhuma dúvida que segue sendo o melhor. Ele confirma a cada partida com seu talento, sua inspiração e sua sabedoria. Me pergunto quem foram os que tomaram a decisão de deixá-lo de fora”.

Menotti não foi o único a discordar dos três finalistas. O ex-atacante inglês Gary Lineker, apresentador da BBC. “Ninguém entende o jogo, não. O Barcelona ganhou a dobradinha muito graças a Messi. Ele marcou um gol por jogo e o seu futebol é verdadeiramente feliz. Os jogos eliminatórios são sempre precários. Então, novamente, se fosse isso verdadeiramente justo para o melhor jogador, ele venceria todo ano”, escreveu Lineker no Twitter.