José Mourinho agora só fala à imprensa quando for obrigado. Tirando a Liga dos Campeões, na qual tem obrigação contratual de falar com os jornalistas, o técnico do Chelsea não pretende mais atender aos meios de comunicação por entender que suas declarações têm sido “distorcidas”.

O primeiro dos dois casos que irritaram o português aconteceu depois da vitória de sua equipe sobre o Charlton. Mourinho foi confrontado com uma declaração de Ashley Cole, do Arsenal, que disse que sua equipe poderia perder até quatro jogos, e disse que, se sua equipe tivesse perdido dois, o que já aconteceu com os rivais do norte de Londres, não pensaria em perder mais nenhuma. Alguns jornais interpretaram a frase como se Mourinho tivesse desconsiderado os Gunners côo candidatos ao título.

No início desta semana, uma revista publicou uma entrevista sua, na qual o treinador dizia que, quanto mais tempo passava na Inglaterra, mais inglês se sentia. A mídia inglesa não demorou para espalhar boatos de que o treinador pensava em se naturalizar inglês para treinar a Inglaterra, o que foi desmentido pelo próprio Mourinho.

Apesar da promessa, os jornais ingleses brincam com a situação: o Guardian, por exemplo, diz que dá duas semanas para ele voltar a falar. E ainda brinca, dizendo que suas entrevistas eram a única emoção dos jogos do Chelsea, que dá pinta de quem neste ano, vai demolir todos os adversários.