Liverpool e Manchester City fizeram o jogo mais aguardado das quartas de final e o clima de rivalidade foi intenso. O ônibus do Manchester City chegou ao estádio de Anfield Road cercado por torcedores do time da casa, em um clima de muita pressão, com sinalizadores, gritos e objetos atirados contra o veículo. Uma situação que foi filmada de dentro por um membro da comissão técnica dos Citizens,

LEIA TAMBÉM:
– Avassalador: Liverpool demoliu o Manchester City com intensidade, estratégia e 30 minutos de sonho
– Guardiola acredita na classificação do City: “Eles já me mostraram muitas coisas boas na temporada”
– Trivela #167 A mesma Champions League de sempre

A cena é muito comum na América do Sul, mas vemos também em algumas situações na Europa. O ônibus dos times rivais chegando ao estádio para um jogo grande como esse, com torcedores mostrando a sua força. Alguns até demais. Segundo relato da Eurosport, uma janela do ônibus foi quebrada e o veículo precisou ser substituído para levar os comandados por Pep Guardiola de volta para casa.

Aliás, Pep Guardiola mostrou muita insatisfação com a situação. Ao chegar ao estádio, o treinador catalão agradeceu, ironicamente, aos guardas que faziam a escolta do ônibus. “Obrigado por nos proteger, muito obrigado”, diz o técnico. “Eu agradeço o que vocês fizeram”. Antes de entrar no vestiário, as câmeras mostram o técnico dizendo “vergonha”.

O Liverpool divulgou um comunicado pedindo desculpas pelo incidente antes mesmo do jogo começar, ainda na noite de quarta. A Uefa indiciou o Liverpool em quatro itens pelo incidente. As acusações são pelos sinalizadores, atirar objetos, atos de danos (ao ônibus, no caso) e distúrbio de multidão, todos itens do código disciplinar da entidade. O caso será avaliado no dia 31 de maio – ou seja, depois do fim da Champions League.

Apesar de Guardiola não ter gostado, o meia Kevin De Bruyne não se importou com o incidente. “Foi OK, disse o belga. “Eu não me importo com os torcedores fazendo isso. Eu fiz isso algumas vezes pelo meu time e foi uma boa sensação”, continuou o jogador. “Quebrar janelas provavelmente é um pouco demais, mas quem sou eu para dizer algo? Por mim está tudo bem, desde que ninguém se machuque”.

Depois do resultado de 3 a 0 para o Liverpool, muita gente buscou explicações fora de campo para o que se viu dentro das quatro linhas. De Bruyne, porém, minimizou o fato. “Não, isso não muda nada. Contanto que não haja violência, não há nada errado com isso”.

Bom, De Bruyne, a Uefa parece achar que tem. Ou melhor: ela abriu procedimentos disciplinares mais por uma obrigação de fazer alguma coisa do que por vontade de fazê-lo. E, nesse caso, não parece mesmo nada demais para se preocupar.

Veja as imagens: