Noruega, Turquia e Eslováquia entram em campo nesta quarta-feira com uma dura tarefa em suas mãos. Os três países perderam os jogos de ida da repescagem européia e precisam quebrar um tabu para chegar à Copa do Mundo. Desde 1998, quando o atual formato de disputa entrou em vigor na Europa, nenhum dos cinco times que foram derrotados na primeira partida conseguiu se classificar para o Mundial.

Quem tem a tarefa mais difícil é a Eslováquia, que foi goleada pela Espanha por 5 a 1 no jogo de ida. A margem da vitória foi tão convincente que os espanhóis nem tentam disfarçar que já se consideram praticamente classificados: “Não dá para dizer que já estamos na Copa, mas demos um passo enorme e agora temos 99,9% de chances de chegar lá”, disse o técnico da Fúria, Luís Aragonés.

A Noruega também tem uma tarefa espinhosa contra a República Tcheca. Os noruegueses perderam o jogo de ida por apenas 1 a 0, mas terão que reverter a desvantagem na casa do adversário. Os tchecos não contarão com Tomas Galasek, suspenso, e a presença de Tomas Rosicky também é dúvida. Do lado da Noruega, Daniel Braaten está fora, e Christian Grindheim, com febre, é dúvida.

“O time jogou pior que o normal e todos vão ter que jogar num nível mais alto que o da última partida. Mas temos que manter a fé”, afirmou o técnico norueguês, Age Hareide. Já Karel Bruckner tentou evitar a euforia. “Não dá para falar em favorito na repescagem”, disse o técnico tcheco.

Na outra partida, a Turquia terá que reverter o 2 a 0 sofrido frente à Suíça. Mas, para isso, os turcos contarão com o auxílio de sua apaixonada torcida, que colocará enorme pressão no adversário. Além disso, a equipe terá a volta de Emre. O jogo em Istambul promete ser tenso, já que os turcos reclamaram de insultos e provocações por parte da torcida suíça na primeira partida.