Santi Cazorla foi adorado no Arsenal e teve também uma passagem brilhante pelo Málaga, mesmo permanecendo em La Rosaleda durante apenas uma temporada. No entanto, sua carreira está diretamente atrelada ao Villarreal. O Submarino Amarillo descobriu o talento do meio-campista nas categorias de base do Real Oviedo, quando tinha apenas 17 anos, e logo tratou de levá-lo ao Madrigal – em dinheiro que serviu para aliviar a crise financeira dos asturianos. Na nova casa, o garoto não demorou a se tornar realidade. Foi lá que experimentou seus melhores sonhos como jogador de futebol. E agora, sete anos depois de sua despedida, volta a sonhar. Neste terça-feira, o clube confirmou o retorno de seu ídolo. Aos 33 anos, estará na velha casa.

O Villarreal não foi incisivo em seu anúncio. O clube não traz detalhes sobre o tempo de permanência ou o contrato. Diz apenas que Cazorla se juntará ao elenco durante a pré-temporada, fazendo sua preparação com a equipe. Dá para entender a cautela, considerando a batalha que o veterano enfrentou durante os últimos meses para se recuperar de diferentes lesões no pé, que provocaram o risco de amputação e de que não voltasse mais a caminhar normalmente. Depois de muito persistir, o meia segue em frente. Mas sabe que ainda precisará se provar. O Arsenal preferiu não renovar o seu contrato. No Madrigal, encontrará as condições que precisa para retomar a trajetória. Caso o departamento médico do Submarino Amarillo aprove, aí sim acertará seu vínculo com o clube.

Cazorla terá todo o apoio no Villarreal. O meia defendeu o clube por sete temporadas, incluindo uma rápida passagem pelo Recreativo Huelva neste período. Nos primeiros anos de sua carreira, era um belíssimo coadjuvante ao timaço que chegou às semifinais da Liga dos Campeões em 2005/06. Certamente aprendeu bastante como Riquelme, Forlán, Marcos Senna e outros grandes jogadores que povoavam o vestiário. Saiu pouco depois e voltou para ser protagonista, especialmente no vice-campeonato de La Liga em 2007/08. Com gols e assistências, virou um dos melhores armadores do país. Talento reconhecido com a convocação à Euro 2008, que apenas não se renovou rumo à Copa de 2010 por conta de uma lesão. Em 2011, antes de ser bicampeão europeu, saiu ao Málaga.

Se Cazorla ficar mesmo no Madrigal, os torcedores do Villarreal têm consciência que maestria e empenho não faltarão em campo. Resta, nestes meses de expectativas sobre o desfecho, relembrar o melhor do seu ídolo. E não foram poucos os lances mágicos que o talento proporcionou ao clube.