O moral que Sandro Meira Ricci desfruta com comissões de arbitragem não é lá muito compartilhado por jogadores e torcedores. Nesta quarta, o árbitro terminou como personagem no grande tumulto ocorrido no Estádio Parque Central, após a vitória do Nacional sobre o Banfield por 1 a 0, que garantiu os uruguaios na fase de grupos da Copa Libertadores. Com o empate por 2 a 2 na Argentina, o Bolso ratificou a classificação diante de sua torcida, assinalando o gol decisivo nos minutos finais. Entretanto, o Taladro reclamou do apito, o que se transformou em caso de polícia, diante dos excessos dos argentino ao final da peleja.

Melhor durante o primeiro tempo, o Nacional não conseguiu converter o seu domínio em gols. Já no segundo tempo, precisando do tento de qualquer maneira, o Banfield partiu para cima e pressionou. Ia parando nas boas defesas de Esteban Conde, até que o lance decisivo acontecesse no limite da grande área. Nicolás Bertolo ia avançando com a bola dominada, quando foi atropelado por um defensor do Bolso. A velocidade do lance tende a dificultar, assim como é preciso prestar atenção se o uruguaio tocou a bola. Sandro Meira Ricci, muito próximo à jogada, não marcou. E revoltou os jogadores argentinos.

Pouco depois, uma cena curiosa aconteceu. Sandro Meira Ricci paralisou o jogo e indicou sentir dores na perna. Chamou os médicos e até parecia que seria substituído pelo quarto árbitro. Neste momento, foi bastante interrogado pelos jogadores do Banfield. Mas acabou seguindo em frente na partida. O Nacional voltou a atacar nos minutos finais e o brasileiro teria mais trabalho, ao expulsar Adrian Sporle com o segundo amarelo. Já aos 49, aconteceu o gol da vitória uruguaia, em chute preciso de Matías Zunino.

Se por um lado o Nacional festejava, por outro o Banfield partia para cima de Sandro Meira Ricci. O zagueiro Renato Civelli era o mais revoltado com a arbitragem e parecia disposto a bater no brasileiro. Recebeu o vermelho. Além disso, as forças policiais foram acionadas e tentaram proteger o juiz com escudos. Ainda assim, alguns oficiais em serviço no Parque Central levaram sopapos dos argentinos.  Os jogadores também expuseram sua insatisfação aos microfones da TV. Jesus Dátolo falou em “vergonha”, enquanto Pablo Mouche acusou Meira Ricci de “fingir lesão após o erro, por medo”.

Apesar do investimento, com vários jogadores rodados, o Banfield se conterá ao Campeonato Argentino. E a campanha está distante de ser boa na liga, ocupando apenas o 18° lugar. Já o Nacional adiciona um pouco mais de tradição à fase de grupos da Libertadores. Que se discuta a jogada capital, os méritos do Bolso também são evidentes, sobretudo por aquilo que apresentou contra a Chapecoense e na Argentina. É um time em formação, mas que possui opções no elenco. E terá chance de voltar aos mata-matas, em um grupo acessível com Santos, Estudiantes e Real Garcilaso.