Michael Owen abriu o coração sobre o excesso de lesões que prejudicaram a sua carreira, menos brilhante do que poderia ser considerando todo o potencial que o atacante inglês demonstrou nos seus primeiros anos. Em entrevista à BT Sport, disse que odiava praticar o esporte na reta final da sua vida profissional e pensou várias vezes em se aposentar antes de finalmente o fazer, em maio de 2013. 

LEIA TAMBÉM: Seri fez um golaço no primeiro tempo maluco da vitória do Fulham sobre o Burnley

Owen ganhou a Bola de Ouro em 2001, com apenas 22 anos, e foi contratado pelo Real Madrid. Segundo ele, os problemas físicos começaram quando ele machucou a coxa, ainda com 19 anos, e ficou cinco meses fora. Outras lesões foram se acumulando: metatarso quebrado, ligamento cruzado rompido e uma série de lesões musculares que acabaram com a sua confiança. 

“Eu era rápido, correndo nos corredores, superando os adversários. Era quem eu era – comparado com os últimos seis ou sete anos quando eu me tornei a única coisa que poderia ser”, disse. “Eu morria de medo quando precisava correr. Eu simplesmente sabia que ia estourar um músculo. O pior disso é que seu instinto é fazer o que você sempre fez a vida toda, mas começar a pensar: ‘Oh, não’”

Esse período começou entre o metatarso quebrado a serviço do Newcastle e a lesão de ligamento defendendo a seleção inglesa. O medo de dar uma arrancada era tão grande que ele disse que se posicionava de uma maneira que os companheiros não dessem passes que o obrigassem a sair correndo.

“Por seis ou sete anos, eu odiava. Não via a hora de me aposentar. Não era eu. Tudo que eu fazia era curto, tocar a bola e entrar na área. Acabou com as pessoas pensando que eu era um grande artilheiro que não fazia mais nada. Mentalmente, eu conseguia, mas fisicamente, não”, afirmou.

“Eu admiro as pessoas que jogam pelo amor ao jogo. Eles podem perder um pouco de velocidade ou jogar uma divisão abaixo contra times menores. Mas, para mim, era um turbilhão”, encerrou o jogador, que ganhou sua única Premier League pelo Manchester United, antes de pendurar as chuteiras, pelo Stoke City.