O Brasil terminou a preparação para a Copa do Mundo com uma vitória tranquila sobre a Áustria por 3 a 0 em Viena. Uma vitória com autoridade e bom futebol, que é o mais importante para um time que vai disputar uma Copa do Mundo. O time tem um plano de jogo, bons jogadores e conseguiu encaixar uma alteração tática feita neste ano, com Philippe Coutinho se tornando meia pelo centro do campo, ao lado de Paulinho, em vez do antigo titular, Renato Augusto, e da tentativa da última semana, Fernandinho. O time teve um ótimo nível competitivo para um amistoso e se consolida, pelo futebol, como um dos times mais fortes para a Copa 2018. O resultado final é impossível prever, mas o Brasil parece pronto para jogar bem e disputar até as últimas fases do torneio.

Lesionados

Renato Augusto e Fred não foram liberados pelo departamento médico da Seleção para a disputa do amistoso. Desfalques importantes porque são dois jogadores de uma mesma posição, o meio-campo. Aumenta as desconfianças sobre a real situação dos dois jogadores. O discurso oficial continua sendo que a situação dos dois jogadores não preocupa, que não há risco de corte. Mas o discurso oficial não só pode, como deve ser bastante questionado sempre.

Gabriel Jesus e a mobilidade

O primeiro tempo mostrou algo que Gabriel Jesus tem um grande mérito: movimentação em campo. Vez por outra, o camisa 9 caiu pelos lados do campo, abrindo espaços na defesa. Roberto Firmino vem em grande fase e foi chamado por Tite de um camisa 10 que joga de 9. Jesus pode ter se tornado mais centroavante, mas é um jogador que sabe se movimentar. Mas além de tudo, mostrou uma ótima capacidade de finalização, algo que ele pecava no seu início de carreira: Gabriel Jesus chegou a 10 gols em 17 jogos pelo Brasil.

Faltas duras

Os austríacos fizeram algumas faltas muito duras, especialmente no segundo tempo. Tomaram dois cartões amarelos ainda no primeiro tempo e no segundo só não tiveram Alessandro Schöpf expulso porque o árbitro foi condescendente. Em dois momentos na segunda etapa houve rodinhas com jogadores austríacos e brasileiros se empurrando, ambos antes dos 15 minutos.

Contra-ataque imparável

No segundo tempo, o Brasil teve espaço para contra-atacar, uma situação que o Brasil se sente muito confortável. Tem jogadores muito rápidos, criativos e habilidosos. As trocas de passes atacando os espaços vazios tornam o Brasil um time muito difícil de ser parado. Até por isso, dificilmente essa situação se repetirá na Copa.

Neymar

Neymar é sempre um jogador importante para o Brasil, seja qual for o esquema. O segundo gol do Brasil, marcado justamente por Neymar, foi uma demonstração de inteligência do Brasil aproveitando os espaços, mas principalmente um lance de habilidade de Neymar. Ele recebeu já dentro da área, em uma cavadinha de Willian, e deu um drible de futsal no marcador para tocar por baixo. Um golaço.

Foi um ótimo sinal também em relação à sua parte física. São 55 gols em 85 jogos de Neymar pelo Brasil, o que o deixa a apenas um gol de Romário na lista de maiores artilheiros na história da Seleção, segundo a CBF. A lista ainda tem Pelé (77 gols em 92 jogos), Ronaldo (62 gols em 98 jogos), Romário (56 gols em 70 jogos).

Paulinho

Depois de uma apresentação ruim diante da Croácia, Paulinho voltou a atuar em um bom nível. No primeiro tempo, com o time da Áustria bem postado no campo de defesa, o volante apareceu na área e foi responsável por uma das melhores chances de gol do time. No segundo tempo, esteve envolvido em muitos lances ofensivos, inclusive no segundo gol. Sua velocidade é ainda mais importante na condução de bola para os contra-ataques quando os adversários oferecem espaço, ou mesmo quando desarma no meio, pegando o time adversário em transição defensiva e atacando justamente no caos.

Coutinho no meio

O jogo pareceu uma consolidação do que se viu nos últimos jogos: Coutinho será o titular na abertura da Copa do Mundo, jogando ao lado de Paulinho e à frente de Casemiro. Tite buscava essa mudança de sistema desde o ano passado, mas neste ano ela se consolidou e os jogos contra Croácia e, especialmente, este contra a Áustria deixam claro que o time joga melhor assim, com Coutinho em vez de outro jogador no meio, como Fernandinho. Como Renato Augusto não está disponível, não vimos essa possibilidade e talvez não vejamos mais, já que o meia não parece ter plenas condições físicas.

Estreia

O Brasil irá estrear na Copa do Mundo no próximo domingo, dia 17, às 15h, horário de Brasília. O adversário será a Suíça e deve ser um jogo difícil, mas que o Brasil parece preparado. Precisará estar pronto também mentalmente, algo que a Seleção sofreu em Copas anteriores.

FICHA TÉCNICA

Áustria 0x3 Brasil

Local: Estádio Ernst Happel, em Viena (AUT)
Árbitro: Viktor Kassai (HUN)
Gols: Gabriel Jesus aos 36’/1T, Neymar aos 17’/2T, Coutinho aos 23’/2T (Brasil)
Cartões amarelos: Schopf, Prödl (Áustria)
Cartões vermelhos: nenhum

Áustria

Heinz Lindner; Aleksandar Dragovic, Sebastian Prödl e Martin Hinteregger; Stefan Lainer, Florian Grillitsch (Peter Zulj aos 21’/2T), Xaver Schlager (Guido Burgstaller aos 12’/2T), Julian Baumgartlinger e Davide Alaba; Alessandro Schöpf (Stefan Hierlander aos 12’/2T); Marko Arnaltovic. Técnico: Franco Foda

Brasil

Alisson; Danilo, Thiago Silva (Marquinhos aos 14’/2T), Miranda e Marcelo (Filipe Luís aos 20’/2T); Casemiro (Fernandinho aos 14’/2T), Paulinho e Philippe Coutinho (Taison aos 29’/2T); Willian, Gabriel Jesus (Roberto Firmino aos 21’/2T), Neymar (Douglas Costa aos 37’/2T). Técnico: Tite