Neymar marcou quatro vezes e deu duas assistências na goleada por 8 a 0 do Paris Saint-Germain contra o Dijon, nesta quarta-feira, a maior vitória da história dos parisienses, em casa, em uma partida da Ligue 1. A exibição de gala dos líderes do Campeonato Francês teve belos gols – um deles espetacular do atacante brasileiro – e Edinson Cavani igualando Zlatan Ibrahimovic como maior artilheiro do PSG.

LEIA MAIS: Com aposentadoria confirmada, é hora de lembrarmos por que o futebol reverencia Ronaldinho

O coitado do Dijon, que faz uma campanha honesta, no meio da tabela da França, ainda deve estar um pouco tonto. Aos 15 minutos, já perdia por 2 a 0, com dois gols de Di María. O primeiro foi bonito, com um chute de fora da área no ângulo. Ao mesmo tempo, foi sem querer: o argentino claramente quis cruzar. O segundo foi após uma arrancada de Neymar, que tocou na saída do goleiro Reynet, e o argentino apenas completou para as redes.

.

 

Aos 21, saiu o gol histórico de Cavani. Di María cruzou da direita para o atacante uruguaio completar de cabeça, sem nem precisar sair do chão. Foi o 156º dele com a camisa do Paris Saint-Germain, igualando a marca de Ibrahimovic.

 

Neymar, então, começou a marcar seus gols. Ampliou de falta, fez 5 a 0 com o rebote de um corte atrapalhado da defesa e o sexto da partida com uma pintura. Saiu do meio-campo, passou no meio de quatro marcadores, driblou mais um e, da entrada da área, chutou cruzado no canto de Reynet.

 

O sétimo gol saiu quando o Dijon já estava bem desencanado. Neymar arrancou pela esquerda e ninguém o incomodou. Se quisesse, poderia ter ficado mais uns 15 minutos com a bola nos pés ameaçando o drible até algum marcador encostar. Ao mesmo tempo, Mbappé conseguiu correr do meio-campo à ponta esquerda, passar por trás do brasileiro, e nunca houve um adversário em um raio de cinco metros do francês.

 

O oitavo gol foi um pouco mais polêmico. Pênalti para o PSG, e a torcida gritou o nome de Cavani, que poderia se isolar como o maior artilheiro da história do clube. Mas Neymar, que se tornou de fato o batedor oficial depois daquele entrevero com o uruguaio, ignorou o clamor popular e marcou pela quarta vez na partida. Levou algumas vaias e saiu de campo emburrado. E olha que o time dele tinha acabado de ganhar por 8 a 0.