A Spal vinha sendo uma simplória coadjuvante nesta Serie A. De volta à primeira divisão após cinco décadas, o clube até conseguiu um bom resultado ou outro, mas nada comparado ao que aconteceu neste sábado. Os biancazzurri, definitivamente, merecem o protagonismo da noite. Afinal, não é todo dia que se consegue segurar a Juventus. O time treinado por Leonardo Semplici conseguiu arrancar um valiosíssimo 0 a 0, para delírio da torcida no Estádio Paolo Mazza. Com razão: o resultado, óbvio, atrapalha os bianconeri na disputa pelo Scudetto, mas também ajuda demais os anfitriões, que deixam provisoriamente a zona de rebaixamento.

Após vencer a Atalanta no meio de semana e disparar na liderança, a Juventus vinha com poucas novidades. Daniele Rugani substituiu Mehdi Benatia na zaga e Alex Sandro foi adiantado como ponta, com Kwadwo Asamoah ocupando a lateral esquerda. Mas o problema é que o time de Massimiliano Allegri não se encontrou. A Spal chegou a dominar o jogo e a pressionar durante os primeiros minutos. A Velha Senhora se acertaria um pouco mais a partir dos 20, mas tinha dificuldades na criação, para poder gerar reais chances de perigo à meta adversária. Nas melhores oportunidades, ou foi travada ou errou o alvo. Desta vez, a dupla formada por Gonzalo Higuaín e Paulo Dybala não se conseguia se combinar.

Para o segundo tempo, era necessária um pouco mais de atitude da Juve. E o time começou a tentar se impor mais no campo de ataque. Ainda assim, andava difícil testar de verdade o promissor Alex Meret. Um dos que mais chamavam a responsabilidade, Douglas Costa até arriscou um chute, mas parou no goleiro. O tempo passava e faltavam ideias à Velha Senhora. Uma alternativa foi botar Mario Mandzukic no lugar de Kwadwo Asamoah, recuando Alex Sandro para a lateral. Mesmo com presença física, os bianconeri não encontravam espaços na defesa adversária, diante de toda a entrega dos jogadores. Quando o croata apareceu, livre de marcação, mandou para fora uma cabeçada no segundo pau. Já do outro lado, Rugani evitou que Alberto Paloschi aprontasse em contragolpe.

A Spal parecia fazer a partida de sua vida. Seus atletas estavam extenuados, mas se entregando para salvar cada bola. Com a criatividade escassa, a Juve passou a insistir nos cruzamentos. E teve lidar no fim do jogo com uma baixa considerável, após Giorgio Chiellini sentir lesão. Em meio aos vários chuveirinhos, os biancazzurri afastavam o perigo como podiam. Os cinco minutos de acréscimos sugeriam um sufoco interminável. Apesar disso, os anfitriões se safaram, com direito a uma bola salva quase em cima da linha por Thiago Cionek. Quando o apito final soou, sobrou o júbilo pelo comemoradíssimo empate, especial também pela injeção de orgulho nos pequeninos.

A Juventus soma 75 pontos na liderança. Pode ver o Napoli ficar a dois, caso os celestes cumpram sua parte e derrotem o Genoa no San Paolo, neste domingo. A Spal ajuda a manter o quadro aberto. Enquanto isso, os nanicos acumulam 25 pontos, uma posição acima do Z-3. Já são quatro jogos de invencibilidade para os biancazzurri, com duas vitórias e dois empates. Revigoram-se no momento certo para tentar escapar do retorno à Serie B. Por aquilo que se viu no Paolo Mazza neste sábado, merecem tal prêmio.