Ser ídolo é difícil, mas ser uma lenda como Francesco Totti é para a Roma é algo que poucos conseguem. Ele é discutivelmente o maior ídolo da história dos giallorossi e, por isso, eventualmente surge alguma discussão sobre aposentar a camisa 10, que ele vestia. Perguntado sobre isso, ele respondeu sabendo o papel de um jogador do seu tamanho e com uma ótima resposta sobre por que o clube não deveria fazer isso.

LEIA TAMBÉM: Presidente da Roma: “Só aceito as desculpas do Barcelona se eles derem Messi para nós”

“Eu sempre disse que não, que eles não deveriam, mas no fim a decisão é o clube que tem que tomar. Para os mais jovens, para as crianças, é natural que todos eles vão sonhar em vestir a camisa 10 da Roma. Eu tinha esse sonho também e felizmente eu tive a chance de viver isso. Então, tirar o sonho de uma criança fazer isso me incomodaria”, disse o astro, dando uma justificativa mais do que razoável para que o clube nunca faça isso.

O próprio jogador, porém, pondera que o peso do número pode ser um problema. “Contudo, ao mesmo tempo, nós sabemos que nunca será fácil para alguém vestir a camisa 10 na Roma. Então, com o tempo, o clube tomará a decisão certa”, disse Totti. “Quem sabe, se outro jogador chegar, outro Totti, outro Messi, nós podemos resolver isso. Se for Messi, ele certamente pegaria essa camisa! Eu acho que ele pegaria de qualquer jeito, mas se não, eu levaria para ele no aeroporto”, brincou o ídolo romanista.

É o tipo de comportamento que se espera de um ídolo. Pensar além dele mesmo, pensar na torcida e nos sonhos daquelas crianças que o assistem, ou sabem de quem ele foi. Um dos pontos mais discutíveis sobre a aposentadoria de números de camisa no futebol passa justamente por isso. A numeração fixa é algo recente na história – começou na Europa em 1993. Por isso, a memória coletiva de futebol na maior parte do mundo foi formada idolatrando jogadores que vestiam a camisa a camisa 10, como Totti, ou a 5, de Falcão, ou mesmo a 6, de Aldair. Aposentar uma camisa no futebol pode representar uma homenagem a um ídolo, mas também impedir que alguém que sonhou em vestir aquele mesmo número possa realizar esse sonho.